Andrew Bird > Angry Birds

20 de Outubro de 2011

Andrew Bird é um músico e compositor norte-americano. Conheci através do meu namorado e amei! Ele tem influências mil de música clássica, música francesa, bluegrass americano, folk, indie e o que mais você achar que já foi feito de bom e junto pode ficar melhor ainda haha As músicas dele são muuuito ricas nos arranjos, com muitos instrumentos e coisinhas experimentais. Ele toca violino e dá um toque todo especial nas músicas.

Além de ser um magrelinho charmoso, as letras do Andrew também são muito boas. Nada de romancinhos, ele gosta de passar mensagens e usar palavras com significado exato do que ele está sentindo. Li que ele escolhe as palavras na hora de compôr baseado mais nisso, do que em como elas vão soar na frase, por isso dá pra perceber umas coisas bem diferentes.

As músicas que eu tenho aqui no mp3 player são do The Mysterious Production of Eggs, segundo álbum do Andrew, e todas as músicas são muito agradáveis de ouvir. Tem inclusive duas instrumentais que você ouve pela rua se sentindo dentro de um filme fofo.

Tentei fazer um Top Músicas pra colocar no post, mas foi difícil. Cada dia minha preferida do CD muda, e eu já não sei qual é a melhor. As versões ao vivo dele são mais viajonas e sempre muda algumas coisinhas do som de estúdio, então escolhi as que acho mais “gostáveis” para uma primeira impressão! hehe Acho que quem gosta de Beirut, vai gostar também do Andrew.

Andrew Bird – A Nervous Tic Motion of the Head to the Left

Andrew Bird – Measuring Cups

Andrew Bird – Skin is, My

E aí, o que acharam? É bom ou não é?

Comprando no Wholesale-dress.net

17 de Outubro de 2011

A culpada de tudo é a Lily. Depois de ler o post dela, resolvi experimentar fazer as compras no Wholesale, o site de roupas chinesas com preços muito, muito baratos. Vou escrever aqui como foi, minha opinião sobre os produtos e algumas dicas para comprar melhor e com menos chances de erros.

MINHAS COMPRINHAS

Fiz a escolha das peças de acordo com as dicas que mais abaixo vou dar pra quem quiser experimentar comprar no site. Eu nunca tinha comprado roupas pela internet antes e por isso mesmo posso dizer que por muito pouco não fui 100% feliz nesta empreitada!

O blusão de ursinhos (coisa maaaaais fofa!) ficou perfeito em mim. Ele é apeluciado e muito macio, não sei dizer que tecido é esse. O capuz e o ursinho vem peludinhos, é puro amor!

Também comprei um vestido de corações que deu certinho! Ele tem um elástico na cintura, então acredito que mesmo que eu fosse mais gordinha ele teria servido. O tecido dele é tipo um chiffon, ou seja, bem leve, fininho e um pouco transparente no busto, onde ele não tem forro. Ainda não usei, mas tenho quase certeza de que ele não pode ser usado somente como vestido, por ser curtinho demais, mas deve ficar legal como sobre legging.

De sapatos, comprei uma bota peluda (que veio em dobro, pois outro ítem que pedi estava em falta) e uma sapatilha que achei a coisa mais diferente! O que mais gostei no site foram as botas, porque elas são muito fofas, peludinhas (fake, claro né) e de um estilo que a gente não vê muito por aqui. Essa me conquistou pelos pompons! haha

Já a sapatilha cinza foi meu 1% que não deu muito certo. Ela ficou muito apertada, pois é muito fechadinha. O material é bem duro, e mesmo que tivesse servido no meu pé, não acho que seja a coisa mais confortável do mundo. Mas é lindona! Ela é revestida de camurça e tem um detalhe de renda e pérolas do ladinho, phyna!

Vale dizer que minhas compras demoraram cerca de 5 meses, mas é só porque como era a primeira vez que eu estava comprando no site, decidi ver se tudo ia chegar direitinho, se as peças eram de qualidade, se iriam servir, etc. E por isso, não quis investir num frete mais caro. Acho que valeu a pena como forma de testar as compras, e de qualquer maneira talvez fosse atrasar com essa greve dos Correios. Da próxima vez já sei que posso pegar um frete mais carinho, porém mais rápido.

DICAS PARA COMPRAR MELHOR

- A primeira dica é ter paciência. O site tem muitas categorias, e em cada uma delas são várias páginas de produtos. Acho legal já fazer o cadastro e ir colocando o que você gostou nos Favoritos ou na Wishlist, senão você jamais saberá encontrar aquele produto de novo.

- Eu não sei qual a lógica de revenda do site, mas às vezes ele tem produtos iguais mas com nomes e preços diferentes. Rá, é pegadinha do Malandro! Por isso é bom estar atento e revisar o que você colocou nos favoritos.

- Tendo noção de que as chinesas são minúsculas (imagine duendes da finura do seu dedo), tamanho é a parte mais importante de tudo. Pra garantir, busque por peças que tenham menos chances de erro ou sejam fáceis de adaptar, como blusas de inverno, blusões, casacos, saias e vestidos com elástico na cintura, blusas bem soltinhas, sapatos e acessórios. Não aconselho a comprar calças, meias, lingeries e vestidos justos, a não ser que você vista PP.

- Preste atenção, porque por padrão quase tudo no site é Free Size, que significa Tamanho Único. Como o tamanho único das chinesas é pra boneco palitinho, não é uma boa arriscar. Prefira peças que tenham a opção de L (grande) ou até mesmo XL (extra grande). Geralmente os ítens tem as medidas em cm para termos uma idéia mais exata. Para quem não sabe inglês, aí vai a ajuda: lenght (comprimento), bust (busto), shoulder (ombros) e sleeve (manga).

- Para sapatos, é bom pensar em 2 números acima do que você calça. Por exemplo, eu calço 37 e pedi uma bota tamanho 39. Mas isso porque a bota era peludinha e macia. A outra sapatilha que pedi, também 39, por ser de um material durinho, ficou bem apertada. Acho que para ela, deveria ter pedido 41. Então preste atenção, pois sapatos tipo scarpin, sapatilhas e outros mais “fechados” pode ser que mesmo 2 números acima do seu ainda fiquem pequenos. A dica que li no blog da Lily é que existe um site gêmeo do Wholesale, mas só de sapatos, chamado Lovely Shoes.

- O limite de compras internacionais é de U$ 50 dólares. Ou seja, se você não quiser ser taxado (ou quer diminuir muito esta possibilidade) tente fazer com que seu pedido não ultrapasse muito este valor. E não é difícil com os preços baixos do site, é só fazer a escolha de Sofia entre algumas peças que dá tudo certo! Qualquer coisa, você compra o que faltou em outra leva!

É ISSO!
Espero que o post tenha ajudado quem está com algumas dúvidas em relação ao site, e também quem assim como eu quer testar fazer umas comprinhas por lá! Quem ainda estiver com a pulga atrás da orelha, lá no post da Lily tem mais detalhes sobre a navegação no site e a forma de pagamento e escolha do frete. Mas posso responder algumas perguntas nos comentários também.

Se você é do tipo que não curte colocar seu cartão na internet, esperar ou arriscar comprar sem experimentar primeiro, não fica triste! Estou pensando em encomendar umas coisinhas pra sortear aqui no blog de mimo de final de ano! Vamos só ver se chega até lá, né? hehe

TimeHairLine

14 de Outubro de 2011

Já ouvi dizer que quando uma mulher muda de fase na vida, ela também adora mudar de cabelo. Pois bem, como vocês estão acompanhando minha vida mutante de um ano pra cá, achei que seria engraçado fazer a linha do tempo com meus novos cortes. Sim, fiz #aloka e aloprei no meu cabelo durante todo esse tempo, fazendo pessoas rirem na rua e outras chorarem em casa. Mas o importante é que eu gostei, todas as vezes. Aproveitando que timelines estão mais em alta do que nunca, fiz uma da minha vida capilar. Vamos acompanhar!


Clica pra ver maior!

Começa em agosto de 2010, quando eu estava com um cabelo comprido e sem corte, pensando em me atirar na 23 de maio haha Olhando agora, penso “pobre coitada”. Parecia abatida e sem graça, até que em setembro decidi mandar embora 2/3 daqueles fios. Ficou um corte meio argentino, com uma cachopinha e os fios bem desfiados, mas longos, até o ombro. Como meu cabelo cresce rápido, em outubro ele já estava com um aspecto mais normal de novo. Aí em dezembro, não sei o que me deu (acho que foi o calor de Forno verão Alegre) que cortei meu cabelo bem mais curtinho. Uma franja que não integrou muito bem com o corte, que era desfiado com duas vírgulas sobrando na nuca, uma vibe meio Magali.

O verão passou e meu cabelo cresceu (não achei fotos boas pra colocar nesse meio tempo), aí eu decidi que só cortar já tava ficando manjado, e eu queria mesmo era um ombré hair. Peguei umas inspirações de cabelo e postei aqui pedindo opiniões. Não sei se o resultado foi o que eu imaginava, mas bastante gente elogiou e eu achei que ficou legal, diferente. Dessa vez, a franja foi cortada acompanhando o resto do cabelo, achei melhor. Aí esse cabelo cresceu e eu fiquei com uma franja super longa, passando o meu queixo. Achei bonito, mas dava muito trabalho pois ficava caindo, consequentemente eu ficava arrumando toda hora e acabava oleosa no final do dia. Outra coisa é que o cabelo desfiado quando cresce, como está em pouca quantidade, começa a parecer uma galinha depenada, e aí estamos nós, em setembro de 2011. Comecei a me irritar muito com esse cabelo “comprido”.

Sabia que queria cortar, mas nem sabia direito como. Ganhei um corte da HeadHunters e deixei nas mãos do Giovani o que seria do meu cabelo! haha Cortei mais do que nunca, e comecei a confirmar uma teoria que eu já estava desconfiando: cortar o cabelo vicia. Quanto mais você corta, mais quer cortar. Ganhei o apelido de Justin Bieber, minha mãe disse que eu parecia o Piu-Piu, mas depois todos disseram que foi o melhor corte até agora.

Vendo a minha TimeHairLine aí em cima, não consigo mais me imaginar com o cabelo comprido. Mas quando ele era comprido, também nunca poderia prever que eu algum dia iria cortar tão curto. Aí fica a questão: Quem um dia irá dizer que existe razão pras coisas feitas dentro de um salão? E quem irá dizer que não existe razão?

Desculpa, é que eu sou juca

11 de Outubro de 2011

Se eu participasse no Zorra Total, esse seria meu bordão.

Como disse no último post, resolvi me assumir mongolona. Minhas primeiras peripécias foram com o transporte público coletivo, ou, como descreve o poema no vidro do meu amigo 520: “Repara no nome daquele grande dragão fumegante que captura nossas almas para o purgatório diário: Ônibus.”

Resolvi usar meu TRI pela primeira vez esse mês, super feliz. Fui caminhando até a parada, pensando “Vou passar o meu TRI ali como se fosse muito natural pra mim, sem deixar vestígios de noob” e testando as melhores maneiras de segurar meu cartão na mão para passar como uma especialista quando chegasse minha vez. Ônibus chegou, eu subi e uhu! Coloquei meu TRI direto na máquina e fiquei esperando. Esperando… esperando… E nada! Aí só ouvi o cobrador falando “Não é aí que coloca, moça. Isso é o visor…” Pronto. Primeiro FAIL detectado! Mas continuei, como se estivesse apenas confusa naquele momento porque estava muito abalada com problemas pessoais, tipo, passando por um divórcio ou tido notícia de que alguém da família está com vermes. Fora que podia ter sido pior, certo? Eu podia ter tentado colocar o TRI na testa do cobrador, por exemplo.

Daí ok, coloquei no lugar certo, e fui passar na roleta. E a roleta trancada. E eu insistindo pra passar, porque né? Tinha passado certo meu TRI agora. E a roleta trancada. Cobrador me fala “É recarga” e eu “Sim, eu sei”, insistindo ainda pra passar. E ele “É que é recarga” e eu “Aham!”, e forçando mais do que nunca aquela maldita roleta. Aí decidi olhar pro cobrador e me liguei “Ahhhhh… eu tenho que passar o cartão de novo, é isso?”, e ele “Sim”.

Logo depois, eu olhei pra câmera, que fechou em mim, e disse meu bordão “Ah tá… desculpa… é que eu sou juca!”, ao som de risos histéricos de uma platéia falsa.

Pra completar, assim que finalmente passei a roleta, o cobrador me disse “Agora fique a vontade e pode se sentar!”

ESSA PARTE eu sei, né?

Agora que eu sou gente

6 de Outubro de 2011

Todo mundo já teve uma época de vacas magras. E muitas destas pessoas já tiveram uma época em que suas vacas ficaram anoréxicas.

Vinte e cinco anos na cara e decidi comprar um apartamento com o namorado. Duas pessoas muito felizes, e também endividadas pelos próximos 20 anos. Que seja eterno enquanto dure – este amor, não estas parcelas from hell. E enquanto os atuais proprietários do apartamento não saem de lá, eu moro com a sogra e meus dois cunhados. Pra pagar as prestações da casa nova, arranjei um emprego e comecei a economizar.

Virei uma pessoa normal nesse Brasil de meu Deus. Agora que eu sou gente, eu ando de ônibus lotado, eu bato ponto, eu tenho tickets refeição, eu tenho chefe, eu controlo diariamente a minha conta bancária, e diariamente eu surto também. Minha vida útil se resume agora em mais ou menos 4 horas. Pode ser a rotina de várias pessoas há muito tempo, que vão ler esse post e dizer “faço isso desde os meus 18 anos”, “bem vinda à vida adulta” ou “onde encontro sapatos da Sugar Shoes pra vender?”. Mas a verdade é que não é porque é a realidade da maioria dos brasileiros que é fácil, legal ou regra. Eu não quero me conformar porque o mundo é assim, porque a maioria vive assim, ou porque c’est la vie.

Mas, enquanto as minhas condições de vida são estas no momento, resolvi retomar o blog porque eu descobri que sou completamente noob pra viver a vida fora da bolha em que eu me criei. E isso tem gerado situações muito engraçadas. Me assumi mongolona e saí por aí com uma música de atração circense como trilha sonora da vida. Aguardem os próximos posts.