Dicionário da TPM

25 de Maro de 2009

Acho que talvez 99,9% dos homens não entendem, e pelo menos 99,9% não se conformam, mas ela existe. A TPM. O processo todo, na verdade, é bem simples: enquanto uma parte do nosso corpo se autodestrói e tenta expelir seus restos mortais nos momentos mais impróprios do nosso dia, algumas das palavras mais banais do nosso cotidiano adquirem novos significados na nossa mente desequilibrada.

Por exemplo, o seu chefe não é mais apenas alguém com um poder superior ao seu dentro de uma empresa. Não, ele é o capeta em forma de empresário que, acima de tudo, só pensa em ferrar com a vida de todo mundo, inclusive a sua. Não satisfeito, justo no dia em que seu útero resolveu virar sádico, ele humilha você na frente de todas as suas colegas. Colegas estas que deixam o posto de pessoas que fazem parte da mesma coorporação que você e imediatamente assumem o de bando de vacas que tem o cabelo e a bunda muito melhores do que a sua e adorariam roubar o seu namorado. É verdade, pode procurar no dicionário da TPM. O namorado, por sua vez, se transforma num cara mega insensível que acha que consegue agradar uma mulher apenas presenteando-a com flores, chocolates e uma réles declaração numa faixa de avião. Nos poupe. Aí você vai dormir concluindo que o mundo, aquilo que antes era considerado o conjunto de espaço, corpos e seres que a vista humana pode abranger, definitivamente significa um lugar sujo e injusto que nunca vai entender e valorizar a pessoa que você é. A vida acabou.

No outro dia, depois de ter cuspido na cara do seu chefe, saído no tapa com duas loiras oxigenadas do trabalho e ameaçado mais de 27 vezes terminar o namoro, você acorda e pensa: “Nossa, como eu tava chatinha ontem! Que boba!” e vive tranquilamente por mais 28 dias como se nada, nunca, tivesse acontecido.

22 anos em um post

4 de Maro de 2009

Categorizei meu blog como “blog de opinião”. Porém, lembrei dos áureos tempos de infância e adolescência no colégio (e na faculdade também), onde eu sempre fiz o papel da guria do fundo que vai bem nas provas, não pega ninguém e nunca levanta um dedo sequer pra comentar matérias ou fazer perguntas durante a aula. Foram-se os seminários, as simulações de audiência, os debates tórridos sobre os assuntos mais polêmicos, as palestras. Nada. Nunca disse um “ai” em público, a não ser, é claro, que me fosse perguntado algo. Foram anos com coisas engasgadas, e hoje eu concluí que pagaria por um intervalo inteiro no horário nobre da Globo pra dizer algumas coisinhas…

Sou contra o aborto. E a obrigatoriedade do voto. E as cotas para negros. Mas sou a favor das cotas para colégios públicos. E da pena de morte. E da legalização da maconha também. Policiais deveriam ser melhor remunerados. Eu acho que Capitu traiu Bentinho. Eu tô de saco cheio de 50% dos blogs que eu visito. Pessoas que em pleno ano 2009 não aceitam homossexuais são ridículas. Auto-descrições também. Eu cago pra modelos novos de celular e iPod. Eu assisto todos os BBB’s. Não entendo como a maioria das pessoas não tem nojo de comer algo que um dia teve olhos. Também não entendo como existe tanta mulher sem noção com biquini fio dental na praia. Acho total apelação mostrar ursinhos polares pra falar sobre aquecimento global. Não, eu não quero mais polenta de almoço. Tia, você nunca acerta nos meus presentes. Mariana, eu sei que você mentiu que foi pros Estados Unidos na quinta série porque vimos você andando no centro uma semana depois. Carla, você é uma vaca.

Pronto.

E vocês, tem algo a dizer? Libera geral, galerë!

Este post foi um oferecimento de TPM (dica: não estou falando de revista).

Este post foi republicado para atender à pauta do TDB: O que você postaria anonimamente? Ou: o que vc tem muita vontade de escrever (seja para desabafar, mandar recado para alguém, etc) no seu blog, mas não gostaria de ser identificada(o)?