Mal de parkinson depilatório

7 de January de 2009

Eu já falei sobre depilação aqui, e continuo me depilando com cera com a mesma pessoa. Porém, ah porém, às vezes surgem aqueles imprevistos. Um convite inesperado para uma piscina, e você tá lá, beirando o chewbacca. Bate aquele leve desespero, e o que acontece? Um buraco luminoso abre no céu e aparece uma gilette flutuante com raios dourados na sua frente. É o milagre da vida, o fim dos pêlos. Oremos para Santa Lisa de Deus.

Tudo seria uma boa saída se eu não tivesse um pequeno problema de coordenação motora com as minhas mãos. Talvez seja por excesso de culpa, já que todos sabemos que usar a gilette é algo feio, bobo e recriminado pela Igreja Católica, pois mutila os pêlos ao invés de retirá-los pela raíz. Então, acontece o temido: eu sempre me corto. Sempre. Ou é na parte da frente da canela, ou do lado no tornozelo. Aí eu descubro que aquela luz que abriu não era do céu e sim do inferno, porque nunca é um simples corte. Não, é sempre algo que nunca mais pára de sangrar. Mas isso acontece na primeira perna e eu ainda tenho a outra (e agradeço por isso, mas…) pra depilar, dando início à difícil tarefa de conter o jorro incrível de sangue de um lado enquanto depilo o outro.

Quando acabo, saio do banheiro para o quarto, deixando um rastro de sangue tipo soldado voltando da guerra. Se alguém perguntar o que houve, não gosto de admitir que sofro de mal de parkinson depilatório e respondo “nada”, o que só agrava a situação. E menos de cinco minutos, mais de 10 pessoas estão batendo na porta e tem uma sirene de ambulância no portão. Eu continuo sangrando por horas, e então resolvo que o melhor a fazer é simplesmente vestir uma calça para sempre e jamais me relacionar com alguém que tenha piscina em casa.

Ok, pode não ser bem assim, vai… mas é incrível como sangra aquele porcaria de corte.

Top 5 Famosos BFF

3 de January de 2009

Quem nunca sonhou ser melhor amigo do seu artista preferido que lance o primeiro mouse. Aquele famoso que a gente sabe até qual a cor preferida de calcinha, mas ele nem imagina que a gente sabe isso. Que se a gente visse na rua, ia tratar como um velho conhecido, mas isso nunca acontece… a não ser que você more no aeroporto, claro. Ou no Rio. Eu consegui lembrar de famosos o suficiente para serem meus miguxos do S2, carne e unha mesmo, e montar o Top 5 Best Friends Forever.

1. Woody Allen


Por tudo que já falei sobre ele aqui no blog, acho que não preciso dar grandes satisfações. Woody seria meu melhor amigo de todos os tempos *insira aqui um gif cegante com muito glitter e palavras miguxas*

2. Wagner Moura


Além de ótimo ator, o Wagner é muito gente boa. Afinal, quem mais seria cantor numa banda de rock brega? Eu e Wagner poderíamos entrar noite adentro cantando Odair José na varanda. Ligaríamos bêbados para o Lázaro Ramos huhu ai, esse Wagner sapecão..

3. Anne Hathaway


Seria o encontro de duas almas perdidas no mundo. Nos tornaríamos amigas ao reconhecer nossos rostos familiares numa loja Bloomingdale’s. Começaríamos a conversar sobre nossa incrível semelhança e descobriríamos diversas outras coisas em comum, como adorar a Audrey Hepburn, por exemplo. Poderíamos trocar de lugar em várias ocasiões, inclusive algumas premieres. Seria MARA!

4. Steve Carell


Steve é o cara perfeito pra ser meu melhor amigo. Ele não precisa fazer caras e bocas, não precisa contar piadas a cada meio minuto, não precisa fazer nada, na verdade, pra ser engraçado. Ele simplesmente é! Ele solta uma piadinha, fica com aquela cara de banana e depois dá uma risadinha sem graça. Steve Carell, ladies and gentlemen!

5. Brad Pitt


Porque todo mundo precisa ter um amigo colírio. Até mesmo pra ter alguma credibilidade perante a sociedade. Seria aquele amigo que todas as suas amigas morrem de inveja, e você diz “o que, o Brad? crescemos juntos… tomando banho de piscina, nos cumprimentando com tapinhas na bunda… imagine só que o sonho da mãe dele era nos ver casados! mas somos apenas bons amigos…”.

Ok, podem me chamar de louca agora.

Página 2 de 212