Instagram Slider

  • Ontem comeou a temporada do Mercatino di Natale! Vai athellip
  • Tumblr girl
  • Messy hair dont care
  • Trilha sonora sino de vaca galinha cachorro
  • Gotta love the mountains!
  • Faa chuva faa sol faa calor faa frio
  • Combinandinho
  • J tem algumas decoraes de Natal nas ruas

E nasce Inacio

04/09/2014

Sem anestesia, sem soro ou ocitocina sintética, sem episio e sem acento no nome. Assim eu escolhi que nascesse o Inacio.

Mas como eu fiz essa escolha e como foi o meu parto?

Pra quem não acompanhou toda a história no blog, eu tenho um namorado que se pudesse teria gerado 9 meses, parido e amamentado o filho. O Rafa participou muito, e foi compartilhando tudo que ele via e lia que eu me informei sobre o parto. Descobri que informação é poder, e tendo esse poder fica muito mais fácil decidir o que você quer e lutar por isso. Infelizmente, nem todo mundo sabe disso ou concorda e muitas mulheres abrem mão desse poder. Aqui no Brasil as coisas tomaram um rumo bizarro e acabou ficando difícil ter os nossos direitos na hora do parto. Difícil, mas não impossível! Saimos em busca e achamos as pessoas certas para nos acompanhar nesse momento, e assim conhecemos o Dr. Ricardo Jones e sua mulher, a enfermeira obstetriz Zeza Jones, e a doula Zezé.

Meu bebê estava previsto para o dia 04 de março de 2014. Adivinhem? Dia de Carnaval: Inacio já iria nascer sambando na cara da sociedade. Algumas pessoas me alertaram sobre mudanças de lua e eu, cética, nem prestei atenção nisso. Até que no dia 13/02 para 14/02 mudou a lua pra Lua Cheia. Passei mal. Dia 21/02 para 22/02 mudou a lua para Lua Minguante. Passei mal. Dia 28 de fevereiro para 01 de março iria mudar a lua pra Lua Nova. Lua NOVA! Coloquei na cabeça que, depois de ter passado por duas trocas de lua que me afetaram de alguma forma, era nessa que ia começar meu parto. Fiz biscoitos com forminhas de mamadeira e bercinho, deixei uma garrafa térmica cheia de chá e a bolsa da maternidade do lado da porta. Eu tinha C-E-R-T-E-Z-A que esse seria o dia.

Eu e o Rafa passamos o dia 01 todo meio que esperando aquela cena de filme, em que a bolsa estoura e começa a preparação de ligar para a doula, parteira, e… nada. À noite, um casal de amigos veio aqui em casa fazer uma janta, um quiche de cebola. Nada, nada, nem perto de eu me sentir diferente. Eles foram embora perto da meia noite e eu e o Rafa ficamos no computador, conversando, ouvindo música. Acabei dormindo de roupa mesmo atravessada no meio da cama e acordei lá pelas 3h da madrugada com uma espécie de cólica. Na verdade, eu acordei por causa da cólica. AHÁ! Sabia! Quiche de cebola indutor de partos. Falei pro Rafa que era pra ele contar os intervalos e fui pra baixo do chuveiro, pois sabia que se passasse não era nada. Fiquei gritando lá do chuveiro “começou!”… “deeeeu!” hahahaha Rafael tecnológico abandonou o caderninho e baixou rapidamente um aplicativo de contar o tempo das contrações. Fiquei com vergonha de ligar para a Zeza em plena madrugada (como se isso nunca acontecesse com ela) e esperamos um pouco mais. Enquanto isso, eu tava rindo e fazendo altos bullying com as minhas contrações dizendo “o queeee? é só isso? pffff, que dorzinha mais ridícula! manda mais pressão no útero que tá pouca!”. Sim, eu estava cutucando a onça com vara curta.

Depois de um bom tempo nessas de “mais uma!”… “cabôôô”, o Rafa ligou pra Zeza. Ela disse que era pra esperar ficar um pouquinho mais forte e chamar a Zezé, minha doula. Ligamos pra Zezé lá pelas 7h da manhã e ela prontamente tomou um café e veio aqui pra casa. Uhu! Trabalho de parto! A Zezé me explicou que era pra respirar tentando soltar o ar com a boca aberta e fazendo um som alto, tipo me libertando mesmo. Imaginar que estava ajudando também a abrir o caminho para o Inacio, e me abrir para uma nova fase. Me concentrei bastante para meu psicológico colaborar, já que ele é essencial no trabalho de parto, e foquei nos exercícios. Respira, rebola, se solta, aceita. O Rafa fez uns vídeos desse momento e eu parecia estar chapada. Sinal de que tudo estava indo bem! :)

Em casa Em casa

Aí a Zezé me perguntou “dor de 1 a 5?” e eu respondi “ah, uns 3!”. Dava pra aguentar, apesar de já sentir uma dor mais desconfortável. Estávamos perto da 1h da tarde e ela achou que devia ligar pro Ricardo vir pra cá e fazer um exame de toque. Ele veio, comeu biscoitinho, fez o exame e já estávamos em quase 7cm de dilatação! Fiquei muito feliz! Estava tudo dando certo, fluindo, exatamente como eu queria e minha bolsa ainda estava intacta! Mas aí eu fiz mais alguns exercícios, agachando durante as contrações e… ela estorou! O Ricado pediu pra eu ficar mais uma hora no chuveiro que depois faríamos outro exame. Ok, nesse momento eu estava com a bola de pilates dentro da banheira, com uma mão me segurando num lençol amarrado na minha janela e outra mão segurando em outro lençol amarrado no meu box. Começou a ficar um pouco mais tenso o negócio. Eu já não me sentia muito bem em várias posições e as contrações estavam se vingando de mim. Próximo exame de toque: 9cm de dilatação! Só faltava mais 1cm para a dilatação total!

Mesmo eu tendo mudado de ideia na hora e topado um parto em casa, a Zeza estava de plantão e a gente decidiu que era hora de ir pro hospital Divina Providência, aqui em Porto Alegre. Eram 3h da tarde. Eu pensei que com 9cm estava a minutos de ter o bebê, que ele poderia nascer no caminho, dentro do carro. Ah, o carro… não foi uma boa experiência. Quem estava em outros carros e olhava pro banco de trás do meu provavelmente via algo parecido com isso:

Screaming-Girl-GIF

Dor de 1 a 5? Acho que 5.

Chegamos no hospital e já não gostei… estava com contrações fortes e tive que mudar de ambiente e nervosa pensando que alguém do hospital ia encher o saco com qualquer coisa. O Rafa ficou na recepção pra pegar papéis pra preencher e eu fiquei numa sala de pré-parto. Depois, quando fui pra sala de parto, por mais que o tempo passasse, parecia que o meu desenvolvimento tinha estagnado. Cancela o parto, galera, não vai rolar. Comecei a desistir. Zeza, Zezé e Ricardo me olhavam do tipo “ah, ela chegou na fase de desistir”, porque essa fase, gente, ela é real. Parece que simplesmente não vai dar, não vai evoluir, você vai ficar ali sentindo contrações pra sempre. Você está cansada e em outro planeta, querendo acreditar que a dor vai sumir e uma cegonha irá trazer seu bebê.

parto3 Companheiros

Passaram-se umas 3 horas e eu não sentia a coisa andando. Comecei a ficar irritada porque me senti frustrada. Pô, 9cm de dilatação não é quase ganhando? Mas, hoje, eu vejo que foi exatamente essa expectativa e frustração que fizeram com que a parte final do meu trabalho de parto fosse mais lenta. Tenho várias lembranças embaçadas dessas 3 horas, e só consigo lembrar de chegar no hospital / Zeza chegando na sala / eu sentada no colo do Rafa / eu no chuveiro / eu na cama já de cócoras. Eu, pessoa sedentária que se quisesse dançar até o chão numa festa sentiria os joelhos tremerem e perigando não levantar nunca mais, de cócoras.

cadeira Tenso! Tenso!

Eu não me preparei para esta posição e jamais pensaria que ia conseguir parir assim. Embora exista a dor, o expulsivo venha com ardência e por alguns segundos parece que tudo é impossível, isso é muito diferente de SOFRER. É difícil, é um momento de transição, e todo momento de transição é dolorido. Porém, nem sempre é sofrido. Meu expulsivo foi dolorido e um pouco devagar, mas de um segundo pro outro o Inacio nasceu! Às 7h14 da noite, com 4,300kg e 52cm.

Parto Parto

E aí, de repente, não sentia mais dor nenhuma! Era como se nunca tivesse sentido. Tudo estava bem, não fosse o azar de pegar uma pediatra plantonista que levou o Inacio, sem deixar ele mamar. Segurei ele rapidamente depois do parto, em meio a conversas meio preocupadas das enfermeiras do hospital, que pareciam nunca ter visto um parto normal. Parto domiciliar para o próximo filho, sim ou com certeza?

A expulsão da placenta foi super tranquila, mas tive que dar alguns pontos por causa de lacerações. O Inacio ficou um tempo em observação e eu também, e mais à noite subimos pro quarto. Estava bem cansada, mas com um filhinho lindo dormindo do meu lado! :) O meu mamutinho. Não tive ataque de pânico, não tive problemas de dilatação e acho que mesmo que eu tenha aprendido a confiar mais no meu corpo, foi super importante estar com pessoas que também confiaram. A Zezé e a Zeza parece que criaram um círculo de energia feminina ao meu redor e isso dá muita força, é algo quase mágico. Missão cumprida com sucesso! E ali começava a Era Inacio…

heart

Inacio Rafa e Inacio parto11 Nós
Compartilhar:
Post Anterior Próximo Post

Poderá gostar também:

5 Comentários

  • Tatiana Lima Castro

    Chorei OCEANOS! Parabéns pelo muleque. Muito lindo ele. Aliás, muito lindos vocês todos. Beijos com saudades da amiga, Tati.

    04/09/2014 at 21:28 Reply
  • Lorena

    Posso te contar uma coisa?? Quando você me contou que estava grávida eu quis derramar minha enxurrada habitual do discurso do parto natural humanizado, mas logo você emendou que não queria “nem pensar na barriga crescendo”… Foi tipo estourar a bexiga da criança… hahahahaha! Mas eu engoli meu falatório e só torci, muito, para que você e Inacio (na época, um pequeno feijãozinho sem sexo definido) fossem respeitados em todo o processo. Daí vem o Rafa, santo Rafael, e fez o trabalho todo que eu planejava fazer!! hahahahaha! eeehhhh paizão!
    Eu fico feliz demais que você tenha passado por essa experiência, Bru, que tenha tido a melhor das assistências, que tenha descoberto o seu poder feminino, que tenha se permitido viver esse momento sublime. E sua maternagem só prova o quanto você é e sempre foi dedicada ao melhor para o seu tchuquinho! Enche azamiga índia-hippie de orgulho! :P
    Beijos!!

    11/09/2014 at 23:19 Reply
  • Babee

    Que lindo! Primeiramente, parabéns pela determinação/força e pelo Inacio <3
    Muitas mulheres não se informam mesmo, e acabam cedendo pela opção do médico na hora do parto, que normalmente é a cesária. Confesso que eu tenho muito medo dessa hora, até por conta da fragilidade em que a gestante fica e depois de ler alguns relatos de "abuso", mas vendo a sua experiência, me deixou muito mais tranquila, confiante e curiosa sobre optar por um parto natural futuramente, inclusive domiciliar.

    29/09/2014 at 00:02 Reply
  • Shell

    Oi Bruna, lindo blog!
    Li toda a história do teu parto e, por mais que não seja a minha “praia”, fico feliz que tu tenhas tido o teu filho da maneira que querias! Nada é mais injusto que forçar uma mãe a um método que ela não concorda, seja ele qual for.

    O que me impressionou foi o tempo do teu trabalho de parto! Todo mundo me dizia que quando as contrações começassem eu teria hoooras pra chegar ao hospital, mas guria, foi o contrário! Eu cheguei lá em 15 minutos depois da primeira contração que eu senti e a médica disse “elas estão NASCENDO”! Se eu tivesse ido a Porto Alegre pra ter elas, acho que nasceriam no engarrafamento! hahaha

    O Inacio é lindo! Vou dar mais uma olhadinha no blog! Beijos!

    01/10/2014 at 09:06 Reply
  • Stephanie Salateo

    Parabéns pelo lindo parto Bruna! Informação é tudo! Pela falta dela eu caí em uma desnecesárea, porém fico aliviada porque poderia ter sido pior caso eu insistisse tanto por um parto normal com plantonista. Pretendo que meu próximo bebê venha em um parto domiciliar. Graças a toda informação que busquei, uma das minhas atividades hoje ee fotografar partos humanizados. <3

    01/10/2014 at 17:29 Reply
  • Deixe um comentário