Sobre ser a tal metaformose ambulante

22 de Setembro de 2014

Raul Seixas

Mexer numa colméia? Viajar sem fazer revisão no carro? Ficar perdido no deserto? Que nada. Perigoso mesmo é ter ideias e um blog.

Ao mesmo tempo em que é ótimo compartilhar seus pensamentos aos milhões de bytes internet a fora, isso também quer dizer que eles ficarão gravados em uma memória pública e escancarada para quem quiser vasculhar sua mente ou está chegando agora e pega o trem andando, sem contexto algum. Mesmo que você delete ou edite algum post, sempre vai correr o risco de ter tido sua ideia “printada” ou divulgada viralmente sem controle algum. Na internet, falou, tá falado.

Quer mesmo saber? A gente muda de opinião. Ter seu histórico aberto não altera esse fato, e eu vejo uma coisa muito legal nisso tudo que é a gente poder perceber o quanto evoluiu, o quanto também mudou e o quanto podemos mudar sem que isso seja um problema. Pois é, tão difícil quanto querer mudar de ideia e não conseguir é querer mudar de ideia e simplesmente mudar. É o medo de ser julgado depois por pessoas que não entendem que você tem muito mais personalidade quando assume outra postura diante de x motivos do que quando tapa os ouvidos e bate os pés gritando seus ideais trancados a 7 chaves.

Mas as pessoas não são – e nem devem ser – tão enquadradas assim. A gente atira pedras, morde a língua e se arrepende muito. Apesar de ouvir incansavelmente a frase “Nunca diga nunca!” fala “nunca” pra caralho. É natural, é normal e não é motivo de vergonha, e sim de orgulho. Orgulho de ser quem você é hoje porque foi outra pessoa em outros momentos, e é só assim que conseguimos enxergar valor nas transformações, nossas e dos outros a nossa volta.

Com 13 anos eu dizia que não queria casar e nem ter filhos, e hoje eu tenho um bebê de 6 meses – mas ainda não tenho intenções de subir ao altar. Eu já escrevi aqui no blog que sou a favor da pena de morte e contra o aborto, e hoje penso exatamente o contrário. Eu já disse também que sentia uma vergonha gigante da Malu Magalhães com o Marcelo Camelo e hoje me sinto uma idiota por ter pensado isso porque adoro o casal e já li o quanto ela foi massacrada pela mídia e pelas pessoas na época em que o namoro começou. Vou fazer o que? Apagar os posts? Não, assim como mantenho no blog muitas outras opiniões, hobbies e pessoas que hoje não fazem mais parte da minha vida, mas um dia fizeram, oras. Esta é sua vida, encare-a de frente.

E que nada, nem ninguém, nos impeça de mudar de opinião outra vez, e de questionar as opiniões que nós temos já formadas. Melhor do que gritar “toca Raul!” é prestar atenção no que ele tenta nos dizer há anos. Não existe nada de errado em ser a tal da metamorfose ambulante.

Desculpa, é que eu sou juca

11 de Outubro de 2011

Se eu participasse no Zorra Total, esse seria meu bordão.

Como disse no último post, resolvi me assumir mongolona. Minhas primeiras peripécias foram com o transporte público coletivo, ou, como descreve o poema no vidro do meu amigo 520: “Repara no nome daquele grande dragão fumegante que captura nossas almas para o purgatório diário: Ônibus.”

Resolvi usar meu TRI pela primeira vez esse mês, super feliz. Fui caminhando até a parada, pensando “Vou passar o meu TRI ali como se fosse muito natural pra mim, sem deixar vestígios de noob” e testando as melhores maneiras de segurar meu cartão na mão para passar como uma especialista quando chegasse minha vez. Ônibus chegou, eu subi e uhu! Coloquei meu TRI direto na máquina e fiquei esperando. Esperando… esperando… E nada! Aí só ouvi o cobrador falando “Não é aí que coloca, moça. Isso é o visor…” Pronto. Primeiro FAIL detectado! Mas continuei, como se estivesse apenas confusa naquele momento porque estava muito abalada com problemas pessoais, tipo, passando por um divórcio ou tido notícia de que alguém da família está com vermes. Fora que podia ter sido pior, certo? Eu podia ter tentado colocar o TRI na testa do cobrador, por exemplo.

Daí ok, coloquei no lugar certo, e fui passar na roleta. E a roleta trancada. E eu insistindo pra passar, porque né? Tinha passado certo meu TRI agora. E a roleta trancada. Cobrador me fala “É recarga” e eu “Sim, eu sei”, insistindo ainda pra passar. E ele “É que é recarga” e eu “Aham!”, e forçando mais do que nunca aquela maldita roleta. Aí decidi olhar pro cobrador e me liguei “Ahhhhh… eu tenho que passar o cartão de novo, é isso?”, e ele “Sim”.

Logo depois, eu olhei pra câmera, que fechou em mim, e disse meu bordão “Ah tá… desculpa… é que eu sou juca!”, ao som de risos histéricos de uma platéia falsa.

Pra completar, assim que finalmente passei a roleta, o cobrador me disse “Agora fique a vontade e pode se sentar!”

ESSA PARTE eu sei, né?

Agora que eu sou gente

6 de Outubro de 2011

Todo mundo já teve uma época de vacas magras. E muitas destas pessoas já tiveram uma época em que suas vacas ficaram anoréxicas.

Vinte e cinco anos na cara e decidi comprar um apartamento com o namorado. Duas pessoas muito felizes, e também endividadas pelos próximos 20 anos. Que seja eterno enquanto dure – este amor, não estas parcelas from hell. E enquanto os atuais proprietários do apartamento não saem de lá, eu moro com a sogra e meus dois cunhados. Pra pagar as prestações da casa nova, arranjei um emprego e comecei a economizar.

Virei uma pessoa normal nesse Brasil de meu Deus. Agora que eu sou gente, eu ando de ônibus lotado, eu bato ponto, eu tenho tickets refeição, eu tenho chefe, eu controlo diariamente a minha conta bancária, e diariamente eu surto também. Minha vida útil se resume agora em mais ou menos 4 horas. Pode ser a rotina de várias pessoas há muito tempo, que vão ler esse post e dizer “faço isso desde os meus 18 anos”, “bem vinda à vida adulta” ou “onde encontro sapatos da Sugar Shoes pra vender?”. Mas a verdade é que não é porque é a realidade da maioria dos brasileiros que é fácil, legal ou regra. Eu não quero me conformar porque o mundo é assim, porque a maioria vive assim, ou porque c’est la vie.

Mas, enquanto as minhas condições de vida são estas no momento, resolvi retomar o blog porque eu descobri que sou completamente noob pra viver a vida fora da bolha em que eu me criei. E isso tem gerado situações muito engraçadas. Me assumi mongolona e saí por aí com uma música de atração circense como trilha sonora da vida. Aguardem os próximos posts.

Publicitária do Lar

4 de Outubro de 2010

atrapalhada

Não faz nem três meses que ingressei em uma nova vida. Uma vida onde eu compro um armário e depois passo Poliflor nele. E depois dobro todas as roupas. E depois guardo elas. E por fim, tomo 2 Dorflex pros meus braços.

Uma vida em que lavo louça. Parece um sonho, mas não é. A louça está ali. E aí você começa a valorizar muito cada prato que suja. E decide que o melhor é ter alimentos possíveis de comer com a mão: banana, maçã, barrinhas de cereais. Além de tudo, tem que ir no supermercado, comprar coisas que sujarão toda aquela louça que um dia, acredite, consegue ficar limpa e guardadinha. Linda. Geralmente é naquele mesmo dia que você acorda querendo fazer dieta, mudar o cabelo e arriscar pintar a unha de um esmalte amarelo neon.

Mesmo assim, existe um sentimento frequente de que nunca tem nada na geladeira, e você começa a comer compulsivamente pra garantir que não morrerá de fome. A lógica mais simples? Comer de hora em hora. E então chega a 58kg, um record pessoal. E ganha o apelido de “estivador” por alguns parentes – mais precisamente a sua mãe. Nem vou entrar no assunto do pânico de acabar o papel higiênico.

Outra novidade: as roupas são jogadas no cesto de roupa suja e… ficam ali! Sinceramente, nunca imaginei. Cadê a fada que lava as roupas? Olha, assim as coisas não andam bem como eu gostaria. E como se não bastasse, tem que ter todo um estudo pra coisa: o caninho da máquina tem que estar numa altura tal, o sabão não pode ficar parado por cima das roupas por uma noite inteira (mas depois de termos metade das roupas camufladas aprendemos bem – pelo menos estamos na moda), às vezes esse troço VAZA (oi conta de água!) e, o que considero a pior parte… elas saem molhadas da máquina e cabe a você e a previsão do tempo transformar tudo aquilo em coisas usáveis.

Ainda tem o fato de que concluí o quanto pernas são necessárias. Sem carro, uma simples ida na Lotérica, depois ao Correio e depois no supermercado me faz sentir muito saudável. Sou praticamente uma atleta de tarefas domésticas. Sou tipo o Office Boy de mim mesma.

Ultimamente tenho me questionado muito sobre tudo isso. E agora? Preencho formulários como publicitária ou como do lar? Publicitária do lar? Talvez. Mas de uma coisa eu tenho certeza, a vida mudou pra melhor. A sensação é que agora eu mesma cuido de mim, e até que tenho ido bem nisso. Apesar de todas as descobertas de cuidar de uma casa, tudo vale a pena. Poder ir dormir sabendo que as roupas estão cheirosas, a geladeira cheia de coisas que você gosta, o tapete sem poeiras, e é tudo por sua causa. Mesmo que você esteja indo dormir num colchão no chão, porque né? Cama são outros 500.

Mas falamos mais sobre isso assim que eu for ali desligar o leite no fogão.

Highway to hell

16 de Junho de 2010

Casamento em Uruguaiana. Uruguaiana a 8 horas de Porto Alegre. Sem vestido e madrinha. Um pâncreas meia boca e a certeza de que nada ia ser muito fácil.

Então era isso, no feriado de Corpus Christi estava eu embarcando pra lá num ônibus levando uma caixa térmica com pão de queijo e vendo aos pedaços Elizabethtown dublado espremida numa poltrona, tentando convencer meu pescoço de que por aquela noite a cama ia ser um pouco diferente. Mal conhecia os noivos, mas nessas horas as formalidades falam mais alto e eu sucumbi. Precisava de algo pra me apegar, um amuleto, algo que me garantisse segurança durante os momentos mais difíceis: levei meu secador comigo. O meu secador 110w. Pro meu hotel 220w.

Meia hora de choro depois de um transformador estourado e tudo parecia bem, ignorando o fato de que eu não ia poder almoçar nada além de repolhos e batata doce, simplesmente porque não tem como encontrar uma restaurante árabe, mexicano, vegetariano ou natural na fronteira do Rio Grande do Sul com a Argentina. E os restaurantes todos fecham às 14h, então por mais que eu quisesse ver pra crer, não ia dar tempo de procurar nada adequado ao meu pâncreas revoltado na cidade.

Tirando isso, foi tudo bem mais ou menos. Nunca tinha ido a um casamento e me dei conta do quanto definitivamente não quero um tradicional. Padre, Igreja, músicas sem graça… no way! No fim, me desculpem quem discorda, aquilo não é para os noivos. Se trata de um agradecimento à Deus. É um ritual para Deus. Não tem nada a ver com o amor entre as pessoas que estão se unindo. É tudo uma submissão. Assunto pra uma vida, não um post, acredito eu.

Always look on the bright side of life…

No fim, a melhor coisa foi ter estado na Argentina, Brasil e Uruguai em um mesmo dia. Um feito bobo, eu sei que não é impossível. Mas já foi algo! Comprei um rímel novo da L’Oreal, um lip balm de morango, muitas guloseimas pras pessoas queridas (com a plena satisfação de que elas estariam felizes podendo comer o que eu não posso), um som novo modernoso pra minha mãe e ganhei meu perfume amado da Diesel: Fuel for Life Unlimited. Também comprei umas coisas diet num mercado de Libres e tomei suco de Pomelo.

A segunda melhor coisa de tudo foi meu sapato, que comprei pra combinar com o vestido e o casaquinho de pele. Surpreendendo a tudo e a todos, eu não usei um Cravo & Canela, e COMPREI um sapato. Sim, eu comprei. Já vejo a hora em que vou ter que dormir no sofá da sala pois não terei espaço no meu quarto que não tenha uma caixa de sapato brilhando.

A terceira melhor coisa foi ter tirado fotos muito bonitas da May. Céu azul, poucos prédios, bastante tempo livre. Me orgulhei.

E a quarta melhor coisa foi descobrir que a H2O de lá é bizarra.

Mas apesar da aparência de suco do Chaves, é boa.

Página 1 de 41234