Aprendendo a gastar

3 de Maio de 2009

Chamem do que quiser, eu acredito que tenho um dom. Quem me conhece sabe o meu poder de economizar dinheiro, comprar coisas ótimas em balaios e revirar lojas de 1,99. Fiz verdadeiros milagres enquanto vivi durante 20 anos sem mesada, fazendo render o dinheiro do aniversário até o Natal, e o do Natal até meu aniversário. Treinei meu cérebro a só se interessar por algo que fosse realmente impossível de viver sem, ou pelo menos custasse menos de 50 reais. Mas como eu disse, isso aconteceu até meus 20 anos. Foi começar a ganhar o que a maioria dos adultos chamam de salário que um novo mundo de futilidades se abriu pra mim. Eu me senti milionária tendo 300 reais, e constatei que deveria aprender não a investir, mas sim torrar dinheiro, aquilo que não fiz a vida toda. Meu cérebro virou independente do meu espírito, e se assumiu um grande fã consumidor de sapatos. Minhas bolsas deixaram de ser egoístas e pediram por novas irmãs no armário. Minhas unhas criaram personalidade e toda sexta-feira elas me imploram para serem levadas no salão e ganharem uma corzinha. E assim todos os elementos do meu guarda-roupa se rebelaram por uma Bruna mais gastadeira e menos mão de vaca. Não, jamais serei uma Becky Bloom. Apesar da nova loucura consumista que invadiu minha vida, já me fazendo comprar sapato dois números menor só para tê-los e blusas que mofam no armário por ter pena de usá-las, eu ainda dou muito valor ao meu dinheiro. O segredo? Separo meu salário: metade para a intocada poupança, metade para ser feliz.

Sessão Pipoca com Biscoito

25 de Abril de 2009

Ele não está tão afim de você ★★★★★

Gostei bastante do filme. Não li o livro, mas eu acho que não gostaria tanto. Não sou o tipo de pessoa que gosta de ficar falando sobre relacionamentos homem x mulher. As diferenças, como pensam, mimimi. Acho isso tão chato e clichê. E acho que o filme conduz esse tema de um jeitinho mais fofo, com histórias que dão certo, histórias que não dão, misturando situações bem reais com continho de fadas. Uma coisa meio Simplesmente Amor, mas mais pé no chão. Detalhe pras roupitchas e pra decoração da casa da Gigi! É liiinda! E detalhe pra The Cure tocando enquanto rolam os créditos! A melhor cena do filme reune Jennifer Connely e um espelho. Sim, ela define toda mulher: compulsiva com surto de consciência 1 minuto depois de ter sido compulsiva. Achei a historinha da Jen An é a mais fofa (e eu não suporto ver ela chorando que já fico com lágrimas nos olhos), mesmo não gostando muito do Ben Affleck.

Monstros vs. Alienígenas ★★☆☆☆

Pela primeira vez, fui ver um filme em 3D no cinema. Nem preciso dizer, criancite aguda tomando conta do meu corpo enquanto eu achava o máximo usar um óculos por quase duas horas. O filme mesmo não é grandes coisas. A história é meio perdida no tempo, com muitos elementos soltos e simplesmente não faz sentido algum. Diferente de Monstros S.A. onde você nem estranha o fato de que existe uma empresa de portas e monstros de armários que sobrevive do medo das crianças porque a história envolve completamente quem assiste. É, meio decepcionante. Acho que os monstros talvez salvem um pouco com suas piadinhas e carisma (principalmente Bob e Insetossauro). O filme tem muitas referências a outros filmes de ficção científica, e ainda uma rápida referência à introdução do Casamento do Meu Melhor Amigo, mas elas são todas no início, explícitas e totalmente oportunas, o que deixa parecer meio idiota.

Os Delírios de Consumo de Becky Bloom ★★★☆☆

Finalmente fui ver o filme da Becky e devo confessar que a maior empolgação de tudo é ficar reconhecendo as coisas do livro na tela. A Becky, a Alicia, o quarto dela e as pontas de estoque são exatamente como eu imaginava. Mas não dá pra negar que o filme ficou extremamente mais raso. Não gostei muito da trilha sonora, não gostei de misturarem os primeiros dois livros, senti falta do jeitinho e dos hábitos ingleses e achei que banalizaram muitas coisas, tipo o casamento da Suze! Gostei do Luke, das botas vermelhas que aparecem no final e do toque do celular da Becky que é Gwen Stefani – Rich Girl (e eu quero baixar agora pra pôr no meu! haha)