TimeHairLine

14 de Outubro de 2011

Já ouvi dizer que quando uma mulher muda de fase na vida, ela também adora mudar de cabelo. Pois bem, como vocês estão acompanhando minha vida mutante de um ano pra cá, achei que seria engraçado fazer a linha do tempo com meus novos cortes. Sim, fiz #aloka e aloprei no meu cabelo durante todo esse tempo, fazendo pessoas rirem na rua e outras chorarem em casa. Mas o importante é que eu gostei, todas as vezes. Aproveitando que timelines estão mais em alta do que nunca, fiz uma da minha vida capilar. Vamos acompanhar!


Clica pra ver maior!

Começa em agosto de 2010, quando eu estava com um cabelo comprido e sem corte, pensando em me atirar na 23 de maio haha Olhando agora, penso “pobre coitada”. Parecia abatida e sem graça, até que em setembro decidi mandar embora 2/3 daqueles fios. Ficou um corte meio argentino, com uma cachopinha e os fios bem desfiados, mas longos, até o ombro. Como meu cabelo cresce rápido, em outubro ele já estava com um aspecto mais normal de novo. Aí em dezembro, não sei o que me deu (acho que foi o calor de Forno verão Alegre) que cortei meu cabelo bem mais curtinho. Uma franja que não integrou muito bem com o corte, que era desfiado com duas vírgulas sobrando na nuca, uma vibe meio Magali.

O verão passou e meu cabelo cresceu (não achei fotos boas pra colocar nesse meio tempo), aí eu decidi que só cortar já tava ficando manjado, e eu queria mesmo era um ombré hair. Peguei umas inspirações de cabelo e postei aqui pedindo opiniões. Não sei se o resultado foi o que eu imaginava, mas bastante gente elogiou e eu achei que ficou legal, diferente. Dessa vez, a franja foi cortada acompanhando o resto do cabelo, achei melhor. Aí esse cabelo cresceu e eu fiquei com uma franja super longa, passando o meu queixo. Achei bonito, mas dava muito trabalho pois ficava caindo, consequentemente eu ficava arrumando toda hora e acabava oleosa no final do dia. Outra coisa é que o cabelo desfiado quando cresce, como está em pouca quantidade, começa a parecer uma galinha depenada, e aí estamos nós, em setembro de 2011. Comecei a me irritar muito com esse cabelo “comprido”.

Sabia que queria cortar, mas nem sabia direito como. Ganhei um corte da HeadHunters e deixei nas mãos do Giovani o que seria do meu cabelo! haha Cortei mais do que nunca, e comecei a confirmar uma teoria que eu já estava desconfiando: cortar o cabelo vicia. Quanto mais você corta, mais quer cortar. Ganhei o apelido de Justin Bieber, minha mãe disse que eu parecia o Piu-Piu, mas depois todos disseram que foi o melhor corte até agora.

Vendo a minha TimeHairLine aí em cima, não consigo mais me imaginar com o cabelo comprido. Mas quando ele era comprido, também nunca poderia prever que eu algum dia iria cortar tão curto. Aí fica a questão: Quem um dia irá dizer que existe razão pras coisas feitas dentro de um salão? E quem irá dizer que não existe razão?

Dezembro: o mês da mudança

15 de Dezembror de 2008

Sim, dezembro, que mês mágico! Décimo terceiro, festas de final de ano, presentes de Natal, reflexão e novos planos para o ano seguinte. O último dos doze meses do ano é tipo uma sexta-feira prolongada. E todo mundo quer ser uma nova pessoa quando começar a semana de novo. Mas, apesar de mais bonita e filosófica, não é bem dessa mudança que eu estava falando.

São caixas e mais caixas de papelão pela casa, roupas enfiadas dentro de sacos maiores do que o do Papai Noel e uma pressão incrível que repete “não posso esquecer nada” na minha cabeça. Assim é metade de dezembro pra mim, há mais de 20 anos. Eu junto todas as minhas coisas e me mudo temporariamente para a casa da praia, onde vivo igual a um Big Brother até as aulas começarem em março. E todo ano eu escuto “aproveita, esse vai ser teu último verão”, mas as agências insistem em não ligarem pra mim no dia seguinte e eu continuo fazendo castelinhos de areia e pedalando no calçadão janeiro e fevereiro. Como tudo, tem seu lado bom e ruim, que nem cabem nesse post falar. Só que este ano, estou pensando mais no lado bom. Tô levando o bloco de desenhos e pretendo continuar o passatempo delicioso que resgatei esse ano e estampou muito bem meu DeviantArt. Também pretendo tirar o atraso e ler os 6 livros que comprei empolgada, mas abandonei na prateleira embaixo da minha Hello Kitty encardida de infância. Além disso, muitas caminhadas e pedaladas fortes, por recomendação médica e porque é só lá que consigo determinar horários pra fazer isso. Esses são os objetivos principais, mas só Deus sabe o que eu vou inventar pra fazer no marasmo.

Então é assim mesmo. Tchau Wii, tchau namorado, tchau amigos, tchau Porto Alegre. Olá SPA! hahaha