Como enlouquecer com uma Blythe

10 de Julho de 2009

Se você não sabe o que é uma Blythe, conheça o site We Love Blythes.

Até pouco tempo atrás eu achava estranho. Não conseguia enfiar na cabeça como alguém com mais de 20 anos faria seu pensamento desviar de bolsas e sapatos para gastar em uma… boneca. Elas são cabeçudas e olhudas, e por isso muita gente brinca dizendo que tem medo dela. Sim, brinca, porque isso só seria aceitável vindo de um gafanhoto ou de um bebê.

Para todo mundo que me conhece ou pelo menos leu meu post sobre consumismo sabe que eu não ligo pra BlackBerry’s, sapatos JimmyChoo, MAC, iPods, iPhones ou qualquer outro i. Eu nunca comprei as coisas por marcas, e sim por achar bonito ou que combina comigo. Posso contar nos dedos algo que eu tenha comprado acima de 100 reais na minha vida toda. Foram dois sapatos, um casaco de inverno e uma bolsa. A vida toda.
Sendo assim, fica fácil entender a reação da minha mãe quando eu disse que ia comprar uma Blythe. Um pequeno sermão seguido de dois dias de silêncio. Até ela olhar e se apaixonar também. Mas, por que diabos, isso aconteceu?

Roupas – Perfeição e detalhes

Comecei babando pelas roupinhas e miniaturas perfeitas. Enquanto você não sabe o quanto custa cada uma dessas coisas, a vontade é de levar tudo pra casa! Não dá pra imaginar acabamentos mais perfeitos do que muita roupa real de adulto, e muito melhores também do que aqueles outfits singelos das Barbies da minha época.

Custom – Materializando a sua imaginação

Acho que a maior vantagem de ter uma Blythe é a possibilidade de customizar ela inteirinha. Não existe tempo ruim. Quebrou? Sujou? Arranhou? A gente arruma. Troca a maquiagem, troca o corpo, troca os olhos, troca os cílios, troca o cabelo. Troca a boneca que chegar na sua casa pela boneca dos seus sonhos. Quer uma boneca japonesa? Uma fada? Uma chorando? Uma albina? Uma negra? Uma personagem famosa? Uma ela que é ele? Tudo: dá pra fazer.

Criatividade – Personalidade: alterego ou projeção

Além de um objeto de design, uma fonte de criatividade ou uma simples companhia, sua boneca pode ser também quem você quiser. Ela pode ser malvada, sapeca, doce, rockeira, meiga, irônica, criança, diva. Pode ser tudo aquilo que você é. Ou pode ser tudo aquilo que gostaria de ser. Ou tudo aquilo que você jamais será, mas gostaria de expressar de alguma forma.

E agora, apresento à vocês a nova mascote do blog: MAY.

Ela é uma Blythe Pow Wow Poncho, lançada em dezembro de 2003, e é uma das minhas novidades! Eu escolhi ela porque adoro ruivas, e como ela tem cabelão e não tem sardinhas no rosto, eu não ia ficar com pena de cortar ou lixar o rosto e aí tenho mais possibilidades pra customizar. Isso é tudo bullshit, porque até agora só consegui lixar o rosto e fazer trancinhas hahaha Ela chegou aqui dia 26 de maio (por isso o nome dela é May, duh!), quase um mês depois que eu paguei ela. É que o negócio é chique, a mocinha veio direto de Hong Kong para Porto Alegre.

Percebam que ela só veste tricô hahaha Primeiro, porque chegou no inverno e só faz frio, né? Segundo porque pra economizar, ela só veste o que minha mãe faz, ou seja, tricô. haha Sim, sim. Minha mãe, aquela que ficou sem falar comigo, agora faz casaquinhos mini para bonecas.

Ela tem até uma madrinha, a Mari. Foi através dela que conheci as Blythes, e a Valentina foi a primeira Blythe que eu acompanhei, desde o momento de compra, passando pelos momentos desesperadores onde a Mari abriu ela, até hoje. E a recíproca é verdadeira. Fui no encontro das dolls do sul fazer uma matéria, a Mari me deixou por dentro de tudo e depois acompanhou também desde o meu pedido até a chegada da May.

É muito bom tirar fotos dela, como se realmente fosse uma pessoa que fica por aqui enquanto eu trabalho. Meu Flickr agora é todo dela e assim eu posso também exercitar um pouquinho minha criatividade fotográfica, apesar de ainda não ter conseguido uma intimidade com minha câmera nova.

Apesar de tudo, acho que existem exageros sim no mundo das blythes. Mas isso acontece em tudo, e cabe a cada pessoa saber o que fazer da sua vida. Eu, por exemplo, tenho um limite que aceito pagar por roupinhas e coisas, e ele é proporcional ao limite que dou para comprar coisas pra mim também. Gosto de esperar por limpezas de armário, fazer troquinhas ou até mesmo pagar em dolar quando sai mais barato. É assim comigo, é assim com a blythe!

Fotos usadas no post: blythelife, erregiro, petitplat, lilitix, sugaroni, tamara, valaris, sabrina eras e taty.

——————————-

Peço que por favor, se for pra xingar, dizer que é um absurdo ou qualquer coisa do tipo, é melhor engolir seu comentário. A intenção do post não é gerar um debate sobre ter ou não uma Blythe, é para ser apenas algo divertido e mostrar coisas legais que EU vejo numa Blythe. Se você não vê… bom, deve ser por isso que eu tenho uma, e você não. Simples assim! =)

A bonequinha tem blog? Hêh

21 de Fevereiro de 2009

Queria agradecer à , Nana, a Rachel, a Lecticia e a Ariane que me mandaram selinhos! Obrigada meninas!

Ariane também me indicou um meme muito diferente (adoro esses assim mais dinâmicos que envolvem vários blogs e fotos e tal) que é o das Blogueiras Blythes. Primeiro, ela me transformou numa Blythe mega fofa:

E não é que parece comigo? haha Independente de gostar de Blythe ou não, eu adorei!

E agora eu vou fazer o mesmo com 5 meninas que eu gosto muito! Aviso: dá trabalho, sim. Mas quem não quiser fazer, não tem problema! Entendam como uma homenagem! =)


Aline

Mima

Key

Lia

E aí, ficaram parecidas ou não? Adorei fazer isso gente!