Agora que eu sou gente

6 de Outubro de 2011

Todo mundo já teve uma época de vacas magras. E muitas destas pessoas já tiveram uma época em que suas vacas ficaram anoréxicas.

Vinte e cinco anos na cara e decidi comprar um apartamento com o namorado. Duas pessoas muito felizes, e também endividadas pelos próximos 20 anos. Que seja eterno enquanto dure – este amor, não estas parcelas from hell. E enquanto os atuais proprietários do apartamento não saem de lá, eu moro com a sogra e meus dois cunhados. Pra pagar as prestações da casa nova, arranjei um emprego e comecei a economizar.

Virei uma pessoa normal nesse Brasil de meu Deus. Agora que eu sou gente, eu ando de ônibus lotado, eu bato ponto, eu tenho tickets refeição, eu tenho chefe, eu controlo diariamente a minha conta bancária, e diariamente eu surto também. Minha vida útil se resume agora em mais ou menos 4 horas. Pode ser a rotina de várias pessoas há muito tempo, que vão ler esse post e dizer “faço isso desde os meus 18 anos”, “bem vinda à vida adulta” ou “onde encontro sapatos da Sugar Shoes pra vender?”. Mas a verdade é que não é porque é a realidade da maioria dos brasileiros que é fácil, legal ou regra. Eu não quero me conformar porque o mundo é assim, porque a maioria vive assim, ou porque c’est la vie.

Mas, enquanto as minhas condições de vida são estas no momento, resolvi retomar o blog porque eu descobri que sou completamente noob pra viver a vida fora da bolha em que eu me criei. E isso tem gerado situações muito engraçadas. Me assumi mongolona e saí por aí com uma música de atração circense como trilha sonora da vida. Aguardem os próximos posts.