TimeHairLine

14 de Outubro de 2011

Já ouvi dizer que quando uma mulher muda de fase na vida, ela também adora mudar de cabelo. Pois bem, como vocês estão acompanhando minha vida mutante de um ano pra cá, achei que seria engraçado fazer a linha do tempo com meus novos cortes. Sim, fiz #aloka e aloprei no meu cabelo durante todo esse tempo, fazendo pessoas rirem na rua e outras chorarem em casa. Mas o importante é que eu gostei, todas as vezes. Aproveitando que timelines estão mais em alta do que nunca, fiz uma da minha vida capilar. Vamos acompanhar!


Clica pra ver maior!

Começa em agosto de 2010, quando eu estava com um cabelo comprido e sem corte, pensando em me atirar na 23 de maio haha Olhando agora, penso “pobre coitada”. Parecia abatida e sem graça, até que em setembro decidi mandar embora 2/3 daqueles fios. Ficou um corte meio argentino, com uma cachopinha e os fios bem desfiados, mas longos, até o ombro. Como meu cabelo cresce rápido, em outubro ele já estava com um aspecto mais normal de novo. Aí em dezembro, não sei o que me deu (acho que foi o calor de Forno verão Alegre) que cortei meu cabelo bem mais curtinho. Uma franja que não integrou muito bem com o corte, que era desfiado com duas vírgulas sobrando na nuca, uma vibe meio Magali.

O verão passou e meu cabelo cresceu (não achei fotos boas pra colocar nesse meio tempo), aí eu decidi que só cortar já tava ficando manjado, e eu queria mesmo era um ombré hair. Peguei umas inspirações de cabelo e postei aqui pedindo opiniões. Não sei se o resultado foi o que eu imaginava, mas bastante gente elogiou e eu achei que ficou legal, diferente. Dessa vez, a franja foi cortada acompanhando o resto do cabelo, achei melhor. Aí esse cabelo cresceu e eu fiquei com uma franja super longa, passando o meu queixo. Achei bonito, mas dava muito trabalho pois ficava caindo, consequentemente eu ficava arrumando toda hora e acabava oleosa no final do dia. Outra coisa é que o cabelo desfiado quando cresce, como está em pouca quantidade, começa a parecer uma galinha depenada, e aí estamos nós, em setembro de 2011. Comecei a me irritar muito com esse cabelo “comprido”.

Sabia que queria cortar, mas nem sabia direito como. Ganhei um corte da HeadHunters e deixei nas mãos do Giovani o que seria do meu cabelo! haha Cortei mais do que nunca, e comecei a confirmar uma teoria que eu já estava desconfiando: cortar o cabelo vicia. Quanto mais você corta, mais quer cortar. Ganhei o apelido de Justin Bieber, minha mãe disse que eu parecia o Piu-Piu, mas depois todos disseram que foi o melhor corte até agora.

Vendo a minha TimeHairLine aí em cima, não consigo mais me imaginar com o cabelo comprido. Mas quando ele era comprido, também nunca poderia prever que eu algum dia iria cortar tão curto. Aí fica a questão: Quem um dia irá dizer que existe razão pras coisas feitas dentro de um salão? E quem irá dizer que não existe razão?

Mal de parkinson depilatório

7 de Janeiro de 2009

Eu já falei sobre depilação aqui, e continuo me depilando com cera com a mesma pessoa. Porém, ah porém, às vezes surgem aqueles imprevistos. Um convite inesperado para uma piscina, e você tá lá, beirando o chewbacca. Bate aquele leve desespero, e o que acontece? Um buraco luminoso abre no céu e aparece uma gilette flutuante com raios dourados na sua frente. É o milagre da vida, o fim dos pêlos. Oremos para Santa Lisa de Deus.

Tudo seria uma boa saída se eu não tivesse um pequeno problema de coordenação motora com as minhas mãos. Talvez seja por excesso de culpa, já que todos sabemos que usar a gilette é algo feio, bobo e recriminado pela Igreja Católica, pois mutila os pêlos ao invés de retirá-los pela raíz. Então, acontece o temido: eu sempre me corto. Sempre. Ou é na parte da frente da canela, ou do lado no tornozelo. Aí eu descubro que aquela luz que abriu não era do céu e sim do inferno, porque nunca é um simples corte. Não, é sempre algo que nunca mais pára de sangrar. Mas isso acontece na primeira perna e eu ainda tenho a outra (e agradeço por isso, mas…) pra depilar, dando início à difícil tarefa de conter o jorro incrível de sangue de um lado enquanto depilo o outro.

Quando acabo, saio do banheiro para o quarto, deixando um rastro de sangue tipo soldado voltando da guerra. Se alguém perguntar o que houve, não gosto de admitir que sofro de mal de parkinson depilatório e respondo “nada”, o que só agrava a situação. E menos de cinco minutos, mais de 10 pessoas estão batendo na porta e tem uma sirene de ambulância no portão. Eu continuo sangrando por horas, e então resolvo que o melhor a fazer é simplesmente vestir uma calça para sempre e jamais me relacionar com alguém que tenha piscina em casa.

Ok, pode não ser bem assim, vai… mas é incrível como sangra aquele porcaria de corte.