We Love Wii – Parte II

29 de Dezembror de 2008

Já tivemos a Parte I, com alguns jogos iniciais, e agora temos a Parte II – com o Wii desbloqueado e os torrents a milhão! hehehe

Monopoly ★★★☆☆

O famoso Banco Imobiliário. Nunca cheguei a jogar no tabuleiro, então fui estrear no Wii. É bem divertido e tem vários tabuleiros temáticos pra você ir abrindo ao longo do tempo. Tem vários barulhinhos pra identificar os personagens e o controle treme toda hora.

O Wii rouba muito pros players dele hahahaha Sério, eles sempre ganham vez dupla, se dão bem, compram os melhores lugares.. tô de olho, Sr. Wii! Tô de olho! Outra coisa é que o jogo acaba rápido pra umas pessoas. Em apenas algumas rodadas, pelo menos dois jogadores já estão a beira da falência.

Mario Kart ★★★★☆

Mario Kart que muita gente ama. É bem divertido mesmo, várias pistas temáticas, vários tipos de carrinhos, personagens da Nintendo e em versão baby (awwwnn!). E, claro, o mais legal: poder sacanear todos! =D

Eu, particularmente, acho meio repetitivo pra jogar. Tem umas pistas (tipo a do shopping) que são confusas e eu não consigo delimitar as coisas direito. Acabo batendo em tudo hahaha Um detalhe chatinho: a voz da baby Peach é muito irritante hahaha Desisti de jogar com ela…

Animal Crossing – City Folk ★★★★★

Adorei esse, é mega fofo. Você cria um personagem, faz a casinha dele e tem que trabalhar e vender coisas pra ganhar dinheiro. Pode mobiliar a casinha, expandir ela, comprar roupas, ajudar a cidade a fazer melhorias, conversar com outros jogadores (inclusive online), mudar de penteado, doar objetos pra fazer o Museu crescer, e mais um monte de coisa! Seu personagem ainda participa de eventos da cidade, como na vida real, tipo celebrar o Natal, festivais de pesca, etc. O jogo passa pelas 4 estações do ano, em tempo real. Pescar é o mais divertido, mas eu adoro comprar móveis pra casinha! *___*

Apesar de ser fácil ganhar dinheiro, algumas coisas são bem caras! =( E o pior é que, com essa história de tempo real do jogo, na madrugada você não pode fazer muita coisa… por mais que se divirta pescando e tal, não tem onde vender os objetos.

Super Mario Galaxy ★★☆☆☆

Mario é Mario, e ele é sempre simpático. Dessa vez, a aventura é espacial, uma coisa meio modernosa, onde o encanador bigodudo tem que salvar a princesa Peach de aliens.

O jogo é bem estranho… primeiro porque eu não gosto de jogos em 3D. É difícil se acostumar com o jeito de controlar o Mario, e as missões de cada planeta parecem meio bobas. Além de rápidas, não achei muito desafiadoras.. não que os outros Mario’s fossem o supra sumo da dificuldade, né? hehe

Wario Land: Shake It! ★★★★★

Esse sim lembra os velhos tempos de Super Mario World, só que é com o Wario, e é no Wii! =D Sabem a maravilhosa propaganda dele no YouTube? É tudo isso mesmo! Divertidão!

O jogo é curto em relação a outros jogos tipo Mario (tem só 6 horas de duração, ao todo) e tem umas combinações de botões que às vezes simplesmente deixam você maluco por alguns minutos, porque não funcionam! Grrr! Mas é só! ^^

Curiosidades

26 de Dezembror de 2008

A Gabi e a Manuela me passaram um meme parecido com aquele do #prontofalei, porém é mais como curiosidade e não queimação de filme. hahaha Regras:
1 – Linkar a pessoa que te indicou.
2 – Escrever as regras do meme em seu blog.
3 – Contar 6 coisas aleatórias sobre você.
4 – Indique mais 6 pessoas e coloque os links no final do post.
5 – Deixar a pessoa saber que você a indicou, deixando um comentário para ela.
6 – Deixar os indicados saberem quando você publicar seu post.

1. Praticamente morei numa chácara até 7 anos de idade.


E meus animais de estimação eram pintos. Sem teorias freudianas, ok? hahaha Meu avô levava eu e meu primo no graaaaande centro de uma rua só da cidade de Viamão e a gente escolhia um pintinho pra cada um. Os nomes eram de uma criatividade incrível, e variavam entre amarelinho, manchinha e marronzinho. Depois de um tempo, quando eles cresciam, iam para a pintolândia e eram facilmente substituídos por clones.

2. Já escrevi um livro.


Ok, ok. Eu participei de um livrinho infantil. Com outras crianças do colégio. Mas minha historinha foi a única escolhida, e abria o livro com muito glamour. Eu dei palestrinhas sobre como foi o longo processo de maturação da idéia até virar um quase best-seller, e só tinha 10 anos. Vocês podem imaginar a profundidade das minhas frases. E da historinha também.

3. Não tenho nenhuma habilidade estranha.


Virar estrela, dobrar a língua, lamber o cotovelo, encostar a língua no nariz, fazer meu umbigo falar e o caralho a quatro. Não nasci com o dom pra nenhuma dessas modalidades bizarras.

4. Passei de manequim 36 para 40 em um ano.


Os fatores que colaboraram foram muitos, mas só posso dizer que engordei 13kg. Atualmente, perdi 4kg desses todos que engordei, e não pretendo mais mudar nada no meu peso! O único problema foi que tudo isso ajudou muito pra eu ter os problemas que tenho hoje de insulina alta.

5. O box é meu palco.


Cantar no banho é normal, quem nunca fez isso, né? A questão é que meu banho é mágico, e eu converso com pessoas imaginárias, faço coreografias, protagonizo cenas de filmes, ganho o Oscar, dou entrevistas, gravo depoimento semi emocionado pro Arquivo Confidencial, toco com minha super banda… Bom, se um dia a água do planeta realmente acabar, vocês já sabem quem culpar.

6. Eu já caí de uma altura de 6 metros num poço de luz.


E não quebrei nenhum ossinho. Eu tinha 13 anos e tava na casa de uma colega do colégio, onde mais ou menos 15 pessoas formavam um maldito grupo de teatro de inglês. Fui brincar de equilibrista na ponta de um terraço, pisei numa lajota molhada, ela se espatifou e eu caí. Ouvi gritos e algumas pessoas pensaram que eu tinha morrido, e alguém até ensaiou se jogar na piscina, devido a um mal entendido. Mas eu levantei, subi umas escadas, reencontrei o pessoal e fiquei deitada num sofá esperando minha mãe. WOW, minha vida é uma aventura, hein? hahahaha

Vou fazer um esquema inteligente que aprendi com a Vy: os seis primeiros que comentarem são os indicados pro meme! =D

E as premiadas foram: Vy (a própria!), Therry, Dani, Anna, Lya e Carolina.

Ho, ho, ho!

24 de Dezembror de 2008

BrunaEu poderia fazer um enorme post com histórias de Natal, a vez que eu fui o Papai Noel (!) e cheguei de bugui, quando eu ganhei o tão falado motorhome da Barbie, quando eu chorei porque ganhei um Husky de pelúcia (e até hoje todos riem de mim quando vêem a fita), etc. Mas decidi fazer algo simples e presentear os visitantes do meu bloguinho! ^^ Separei várias coisinhas fofas de Natal, como ícones, wallpaper, um PSD de gorrinho (pra colocar em fotos, no logo do seu blog ou usar como quiser) e kits de Scrapbook Digital! É assim que desejo pra todo mundo que passa por aqui um FELIZ NATAL! É só clicar no link embaixo das imagens pra fazer o download!

Goodies:

Santa’s set


Download AQUI.


Christmas Buddy Icons


Download AQUI.

Wallpaper Winter Blues, by Chubby Cherry


Download AQUI.

PSD Chapéu de Papai Noel


Download AQUI.

Scrapkit – Merry Christmas, by Pooker Creations


Download AQUI.

Scrapkit – Taggers Christmas Freebie by Just a Girl’s Designs


Download AQUI.

O dia do meu casamento

20 de Dezembror de 2008

Voltemos no tempo e olhemos para uma garotinha de 12 anos que jamais pensaria em casar, muito menos ter filhos, imaginando-se uma poderosa executiva que dedicaria todo o seu tempo para os negócios e os futuros problemas de coração que o stress e o trabalho lhe acometeriam. Sim, eu era essa pessoinha amarga que achava que bastava a ganância e o dinheiro para ser feliz. Porém, muitas coisas aconteceram e eu passei a ser uma pessoa que agora sonha com quais docinhos escolher pro buffet do casamento, qual das minhas amigas será a dama de honra, filhos pra vestir, ceia de Natal farta e feliz ao som de Jingle Bells Rock, mãozinhas pro ar e todos vendo o show do Roberto Carlos de final de ano… er… acho que deu pra entender a transformação, né? Enfim, eu virei gentem como a gente.

Porém, desconfio que as coisas estão saindo um pouco do controle, uma vez que há algumas semanas eu quase comprei um vestido de noiva. Pois é, tudo começou com uma revista de produtora de eventos largada numa cafeteria e que eu peguei pra folhear enquanto o André foi no caixa. Eram muitas empresas que pareciam de alta qualidade e bom atendimento, com sugestões de buffet, decoração, vestidos, maquiagem, presentes pros noivos, cabelos, lembrancinhas… :shock: O André jamais poderia imaginar que o tempo de pedir um capuccino seria o tempo em que todo nosso casamento seria planejado.

Imaginei o casamento num lugar ao ar livre, mais ou menos 200 convidados (entre eles Paul McCartney, que mais tarde cantará a capela e emocionará todas as velhinhas de plantão – afinal, estou imaginando) e a festa numa cobertura ampla e iluminadíssima tendo como cenário toda a cidade de Porto Alegre. Não, de SP. Ah, foda-se, Nova York. No buquet lírios brancos e a música de entrada poderia ser uma cópia exata da cena musical mais fofa de Simplesmente Amor. Pela revista, já escolhi qual empresa ficaria encarregada do bolo e docinhos, ensaiei discar os número do meu cabelereiro pra perguntar se ele estaria livre durante qualquer dia de 2009. Depois pensei em abolir tudo isso e fazer o casamento judeu, porque parece ser muito mais divertido ser levantada numa cadeirinha, dançar musiquinhas típicas em roda e beber vinho. Pena que ninguém da família é judeu.

O André voltou com o capuccino, reclamou alguma coisa do atendimento e eu achei melhor não comentar nada e esquecer o assunto. E realmente esqueci. Até semana passada eu passar por uma loja de vestidos de festas e ver um vestidinho branco de renda, super simples, que combinaria perfeitamente com qualquer cerimônia. *___* Perguntei quanto era, comentei com a melhor amiga, contei pra minha mãe. “Bruna, até lá o vestido vai amarelar” foi o suficiente pra me desanimar. Aí eu resolvi ir pra casa comer bolinho com Nescau e jogar Wii.

Esse é um maker de noiva que a Lia postou no blog dela faz um tempinho, mas eu vou usar a minha belíssima criação apenas para ilustrar o post. Clique na imagem e faça a sua noiva também!

Dezembro: o mês da mudança

15 de Dezembror de 2008

Sim, dezembro, que mês mágico! Décimo terceiro, festas de final de ano, presentes de Natal, reflexão e novos planos para o ano seguinte. O último dos doze meses do ano é tipo uma sexta-feira prolongada. E todo mundo quer ser uma nova pessoa quando começar a semana de novo. Mas, apesar de mais bonita e filosófica, não é bem dessa mudança que eu estava falando.

São caixas e mais caixas de papelão pela casa, roupas enfiadas dentro de sacos maiores do que o do Papai Noel e uma pressão incrível que repete “não posso esquecer nada” na minha cabeça. Assim é metade de dezembro pra mim, há mais de 20 anos. Eu junto todas as minhas coisas e me mudo temporariamente para a casa da praia, onde vivo igual a um Big Brother até as aulas começarem em março. E todo ano eu escuto “aproveita, esse vai ser teu último verão”, mas as agências insistem em não ligarem pra mim no dia seguinte e eu continuo fazendo castelinhos de areia e pedalando no calçadão janeiro e fevereiro. Como tudo, tem seu lado bom e ruim, que nem cabem nesse post falar. Só que este ano, estou pensando mais no lado bom. Tô levando o bloco de desenhos e pretendo continuar o passatempo delicioso que resgatei esse ano e estampou muito bem meu DeviantArt. Também pretendo tirar o atraso e ler os 6 livros que comprei empolgada, mas abandonei na prateleira embaixo da minha Hello Kitty encardida de infância. Além disso, muitas caminhadas e pedaladas fortes, por recomendação médica e porque é só lá que consigo determinar horários pra fazer isso. Esses são os objetivos principais, mas só Deus sabe o que eu vou inventar pra fazer no marasmo.

Então é assim mesmo. Tchau Wii, tchau namorado, tchau amigos, tchau Porto Alegre. Olá SPA! hahaha

Página 1 de 2012345678910