Espelho, espelho meu

7 de Dezembror de 2009

ctrl-c-v

Irmãos gêmeos. Taí uma coisa que eu acho super estranha e não gostaria de experimentar. Imagina ter um clone, um espelho vivo andando por aí, mas sem repetir os movimentos e gestos que você faz na frente dele. Eu nunca gostei nem de ir de duplinha em festa a fantasia, imagina viver essa realidade todo dia. É como sair do próprio corpo e sentir como seria observar um outro você vivendo a vida. E como seria essa outra pessoa que é a sua cara? O que ela faria com o cabelo? O que ela iria gostar e odiar no próprio corpo? Que estilo e quais roupas ela usaria? Qual seria o jeito que ela iria falar? E você, sendo exatamente igual a essa pessoa, faria o mesmo? Dividiria, além da forma física, a personalidade? Acho dificílimo pensar nisso. E acho pior ainda imaginar que são duas pessoas que nascem da mesma mãe, no mesmo dia, com a mesma família, com o mesmo rosto, porém morrem em situações diferentes. Você estaria preparado para ver seu clone deixar esse mundo? Sinistro, hein? Definitivamente, esse negócio de gêmeos me assusta mais que a noiva do Chuck.

Ídolo neurótico, fã nervosa

1 de Dezembror de 2009

Como todo mundo sabe, minha outra metade nesse mundo tem nome, é famoso, pequeno, usa um óculos preto grosso e é autodidata em clarinete. O nome dele é Woody Allen e comecei gostando dele num filme que todo mundo odiou. Se um dia encontrasse com esse pequeno homem, mas de uma imaginação do tamanho do mundo, com certeza iria ter vários ataques histéricos. Assim como ele, boa parte de mim que se acha hipocondríaca – tenho quase certeza que é apenas o cérebro – me faria ter taquicardia, falta de ar, suar frio e chamar alguns paramédicos. Ou apenas o cara que vende cachorro quente na esquina mesmo. Ele, vendo meu nervosismo, ficaria mais nervoso ainda. Começaria a gaguejar com aquela voz esganiçada, ajeitaria o óculos umas cinco vezes por segundo, faria piadinhas para amenizar a situação, e, por fim, chamaria paramédicos para ele também. Terminaríamos, os dois, em um hospital, onde enfim poderíamos conversar por horas a fio em macas, uma ao lado da outra, sendo monitorados pelos nossos chiliques na garantia de que ficaríamos bem. E ficaríamos mesmo? Bom, eu não só ficaria bem como ficaria ótima do lado do meu ídolo, mesmo com soro na veia, jaleco branco e cabelo desarrumado. =)

O que você faz quando ninguém te vê fazendo?

12 de Outubro de 2009

amelie

Todo mundo tem estranhos ou pequenos prazeres que são capazes de mudar qualquer dia emburrado, até mesmo os de TPM. Prazeres daqueles de Amélie Poulain, que talvez só você sinta graça. E, tal qual a Amélie, quando eu era pequena amava enfiar a mão dentro de um saco de feijão ou lentilha no armazém da esquina, enquanto minha mãe tava lá do outro lado do corredor. Pena que hoje em dia nem armazém existe mais, quanto mais o saco de feijão! Mas com o tempo eu fui descobrindo outras coisinhas que são bem bobas, mas divertem muito. Eu adoro escrever meu nome no vidro embaçado do box no banho. Eu sei, eu sei que às vezes fica marcado e não sai nem com água, mas não consigo evitar. Minha letra parece mais bonita quando escrevo direto com meu dedo, e às vezes até letra de música sai lá. Também tenho um pequeno prazer de infância que é comer farinha láctea. Nem é do gosto que eu gosto, mas sim dela grudando no céu da boca e deixando tudo enfarofado. No outono, adoro pisar encima das folhas secas no chão. E, é claro, nada melhor do que chegar em casa e ligar o som bem alto naquela música breguíssima que faz você até desabilitar “o que eu estou ouvindo” do MSN só pra poder cantar e dançar sozinha no quarto.

______________________________
Gente, só pra avisar que esse meu post saiu na edição 1081 da Capricho (que está nas bancas agora, com a capa da Fresno!! Yay! Abaixo a página!



Eu, Aninha e Flávia e as meninas do leia+ (you go, Gil).

Nunca é tarde para…

23 de Setembro de 2009

Já tive fases em que cogitei jamais perdoar alguém por tal feito. Depois de um tempo, você percebe o quanto isso é mesquinho. Nenhum ser humano é perfeito, e isso significa que seus pais, assim como você, também erram. Erram como crianças, por mais que tenham mais idade e experiência de vida. O seu namorado e talvez todos os outros caras que existiram antes dele podem ter percebido seus erros exatamente por algo que fizeram à você, mas só se deram conta disso depois que já tinham te magoado. Aquela amiga invejosa era apenas insegura ou segura demais, e pode ser que com 30 anos ela já tenha amadurecido e achado que tudo que fez foi uma grande bobagem de adolescente mimada. Talvez existam muitas palavras de “sinto muito” e “desculpas” perdidas no espaço e no tempo, onde o ofendido não dá o braço a torcer para dizê-las e quem ofendeu pensa ter perdido aquela pessoa para sempre. Mas, acreditem, nunca é tarde para perdoar ou ser perdoado. Por um coraçãozinho sem mágoas e uma vida mais feliz.

______________________________________
Ps: SIM, , como sempre, existem as exceções que nós queremos que morram no inferno e que venham minhoca na próxima encarnação. Mas aí, com o amadurecimento, a gente aprende a IGNORAR, certo? =)

Em cartaz desde 1986

13 de Setembro de 2009

Minha Própria Vida ★★★★☆

A qualquer momento, você vai conhecer Bruna. Ela é uma menina normal, como eu e você. E também diferente, com suas manias e gostos muitas vezes controversos, como eu e você. O começo de tudo? Julho de 1986, numa cidade ao sul do Brasil. Desde pequena ela já estava fadada ao desconhecido mundo dos diferentes. Com 6 anos decidiu ser vegetariana, aos 10 queria ser escritora, aos 17 queria ainda ser virgem e com 23 anos decidiu que não decide mais nada, só se deixa levar pela vida que leva. Ela não sabe o que faz, ela não sabe pra onde vai, nem como vai, mas tudo que ela quer é fazer parte de muitas aventuras, que irão mudar a vida de várias pessoas, inclusive a sua. Uma comédia, um drama, com romance, suspense e até mesmo momentos de ficção. Uma história mágica e pós moderna que vai fazer você viajar no tempo, voltar a ser criança, reviver os melhores sentimentos de uma adolescência sonhadora, tudo isso sem parar de seguir adiante. Um filme produzido pelos meus pais, escrito pelo destino e dirigido e estrelado por mim: Minha Própria Vida.

Página 1 de 512345