BBB11: Por que eu mereço?

24 de Maro de 2010

Sim, as pessoas se decepcionam comigo porque eu vejo BBB. “Mas logo tu?”, indagam, imaginando que eu devo ser muito cult por gostar de Woody Allen e, sei lá, não ouvir Calypso no volume máximo durante a tarde enquanto pinto panos de prato pro Natal. Mas eu vejo, e vou dizer mais! Eu ADORO! E se você está chocado com isso, prepare-se para infartar: eu já tentei me inscrever!

Soco no estômago essa. Mas é verdade, eu tentei me escrever há muitos anos quando ainda existiam pessoas que acreditavam que você poderia ser escolhido através de simples inscrições por cartinha. Baixei a ficha de inscrição e eram 18 FUCKING PÁGINAS com perguntas diversas que incluiam “você já foi preso?” e coisas do tipo. Aí desisti. Também, não ia conseguir ter uma idéia genial pro vídeo, e nunca fui Miss-alguma-coisa pra me exibir com roupas de academia (sorry, Grazi).

A questão é que tudo mudou. Eu fiz um teste na Revista Super e o resultado foi que eu duraria no BBB de 8 a 12 semanas. E eu super acredito em testes de internet. Quer dizer, hoje eu sinto que estaria preparada pra me inscrever e acho que tenho fortes argumentos pra conseguir ser escolhida e até mesmo para ganhar o BBB11! Estão curiosos? Vamos lá!

Porta-voz de uma minoria
O BBB já teve branco, negro, gay, bi, traições, triângulos amorosos, caipiras, Miss. É chegada a hora de uma… VEGETARIANA! Cadê minhas cotas? Eu sou gente também! E imaginem o Boninho, que adora dar uma zoada e brincar de Deus, o quanto não ia tirar com a minha cara. Prova do líder: comer um churrasco em menos tempo. Monstro: se vestir de galinha e toda vez que um galo cantasse ter que comer coraçãozinho de galinha. Prova do anjo: limpar um peixe. E a diversão seria infinita para ele e a produção do programa.

A experiência que vai mudar sua vida
Eu gostaria muito de viver essa experiência que é o BBB. Principalmente, a experiência de lavar o cabelo durante quase 3 meses com NIELY GOLD! Sério. Eu prezo muito pelo meu dinheiro e não teria coragem de fazer isso na vida normal, mas tenho muita curiosidade de saber se meu cabelo iria continuar um cabelo ou se transformar em uma mutação genética. Sei lá. A dúvida é tanta que a gente se pergunta: quem usou Niely Gold e não aprovou? Marcelo Tas ou Valderrama?

Um sonho antigo
Porque eu sempre tive um sonho secreto. O de uma BRUNA ganhar o BBB. Não sei o que aconteceu em meados de 1986, mas quem não conhece mais de uma Bruna? É um nome até popular pelas ruas, nas turmas de colégio e faculdade, maaaas… você lembra de Bruna’s famosas? (tirando a esquecida Bruna Lombardi) É um nome usado pra personagens de novelas? Não, porque apesar de popular, é um nome renegado. E eu estou disposta a fazer desta uma luta nossa. Das Brunas. E não existe Juliana, Fernanda ou Carol que irá nos deter! Lembrarei disso a cada paredão! Quero ver toda Bruna votando. Juntas conseguiremos, Brasil!

Minha história de vida
Eu tenho uma história de família triste guardada na manga. Minha história de vida não é fácil. Mas não posso contar ela aqui porque ainda quero deixar ela pra quando me sentir ameaçada a sair do programa. Separem seus lencinhos.

Cultura e entretenimento pra você, telespectador
Porque eu não ficaria só falando de voto. Olha que legal, me organizaria pra que toda segunda, depois do filme do líder, eu criticasse um filme, desse nota pra ele e sugerisse um legal. Seria como a Sessão Pipoca no BBB. Ao vivo! E ainda ia falar de músicas legais, bandas, sapatos, celebridades, história do Brasil, lições de inglês e curiosidades sobre a produção de comerciais e chocolates.

Polêmica
Não mediria esforços pra dar declarações polêmicas. Ou vocês esqueceram desse post? Ou vocês esqueceram que eu já confessei aqui que ACHAVA DEDÉ SANTANA BONITO? Tipassim, super polêmica eu sou.

Planejamento
Já tenho uma carta do anjo pronta aqui comigo. Meus amigos estão começando a juntar dinheiro pra ir nos paredões e eu tô terminando o design da camiseta da torcida. Fiz uma lista do que falta: comprar um biquini fio-dental, fazer um clareamento dentário, ter um currículo mostrando que já tentei ingressar na vida artística várias vezes (quase pronto!).

Sei que teria a torcida do Dourado comigo (alô Menino Deus!!), das blytheiras, dos vegetarianos, das Brunas, a minha família e a família do meu namorado, o pessoal do Maria Imaculada, da Capricho, da Cravo & Canela e dos leitores do blog! GENTE, tô muito confiante. Juntos somos o que? Umas 5 mil pessoas? Nossa, esse prêmio tá na mão! VAI TORCIDA BRUBERRIES!!!!

Quando Deus te dá o cano

4 de Novembro de 2009

Essa história de onipresença sempre me pareceu balela. Deus não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo, e com certeza ele já te deu o cano. É tipo wireless, todo mundo que tem sabe que NÃO, não pega em qualquer cantinho da casa.

Penso nisso toda vez que vou a um banheiro público, faço xixi e só depois percebo que não tem papel. E então pergunto, onde está Deus nessas horas? Onde está a faxineira responsável pela reposição do papel? E, o mais importante, onde está meu cérebro e por que não chequei isso antes? São momentos caóticos, de verdadeira tensão e descrença em qualquer tipo de fé. É horrível.

Mesma coisa acontece quando você se perde. Antes do cano, uma falha de produção: por que não nascemos com GPS? Google Maps? É um absurdo ter que usar parte do meu cortex pré-frontal decorando nome de ruas enquanto poderia estar memorizando outras coisas. Definitivamente é por isso que eu esqueço aniversários (viu só, insira_aqui_seu_nome?). E onde está Deus nessas horas? Eu garanto que vendo Lost, por alguma ironia do destino que ele mesmo controla.

E não para por aí. E as várias vezes que me deram o troco errado e só fui me dar conta disso em casa? E às vezes que meu WAP é acionado sem que eu perceba? E aquele dia que comi pão de queijo com formigas achando que era orégano? Não vou nem mencionar as mensagens trocadas no MSN. Esse velhinho safado só pode estar de brincadeira ou realmente adora ver suas criaturas em situações constrangedoras e desagradáveis. “Dancem, marionetes, dancem”, diz ele nos intervalos do seu jogo preferido, World of Warcraft.

Indiferença Oriental

21 de Agosto de 2009

Não sei o que acontece, só sei que nada me interessa quando o tema é “oriental”. Não me levem a mal, não é que desgosto. Simplesmente não gosto. Parece chato, além de confuso. Não vou nem comentar sobre o Oriente Médio com aquela chatice de vários países com nomes parecidos e outros tantos ainda que a gente nem lembra que existe, a não ser quando compra album de figurinhas ou, sei lá, vê um Discovery Channel.

Mas o meu problema é mesmo com o Extremo Oriente. Nunca sei diferenciar lugares ou pessoas na Coréia, Japão, China. Pra mim é que nem Norte e Nordeste do Brasil, eu NUNCA sei onde ficam as cidades, e nem ao menos se são cidades ou estados. Ok, eu sei que tenho sérios problemas com Geografia. Lembro de planícies, planaltos e depressões apenas. Enfim, coisas orientais são estranhas.

Não tenho vontade de conhecer nenhum país, por exemplo. Ficar andando no meio de símbolos loucos. É como viver no mundo do Wingdings. É óbvio que japoneses (ou chineses, ou coreanos) são bons em memória. Eles tem que decorar mil símbolos pra poder ler alguma coisa. Ou certo que pra eles também é Wingdings e eles tem um generator-chat pra conversar, ou coisa do tipo.

Eu nem sei quem xingar quando esses malditos japoneses (ou coreanos, ou chineses) fazem algo melhor do que eu ou me ganham em algum jogo multiplayer. E, acreditem, isso acontece com bastante frequência. Bastardos… orientais!

Algumas coisas que eu gosto: árvores Sakura, Kung Fu Panda, Lucy Liu, miniaturas e bonecas irritantemente perfeitas. É, acho que é isso.

E a mãe, vai bem?

4 de Abril de 2009

Tem dias que eu penso seriamente em finalmente encarnar o espírito de porco que tanto teima em pairar sobre a minha cabeça e dar respostas extremamente mentirosas e bizarras a meu respeito.

E aí, como anda o namoro?
Ah, aquele? Acabou.. pois é.. mas tudo bem. Encontrei um cara muito legal e estamos vivendo num trailer, junto com um pessoal do circo onde ele trabalha. Só seria mais legal se ele pudesse tirar as pernas-de-pau pra dormir.

Como vai a vida de formada?
Tá ótima! Larguei a Publicidade, aquilo é coisa de maluco! No momento tô focada na minha banda de instrumentos imaginários. Eu solo no pirulito, tem o Marcinho na vassoura e o Jorge tá tentando tirar um som legal com as agulhas de crochê.

Porque às vezes as pessoas perguntam demais. Ou você simplesmente está num good bitch day.

Me dá um T! Me dá um P! Me dá um M! Adivinhem que dia é hoje? hahaha

Heróis do dia-a-dia

1 de Abril de 2009

Na minha opinião, heróis não são guerreiros, não tem super poderes e não são somente aquelas pessoas admiráveis. Heróis são, simplesmente, aqueles que salvam pessoas.

Lembro que minha primeira heroína foi Elvira, a Rainha das Trevas. Eu tinha uns 8 anos e recém havia colocado aparelho nos dentes. Tava apertadíssimo, doendo muito, e Elvira me salvou me distraindo com 98 minutos de diversão cinematográfica, incluindo a dança dos peitos. Obrigada, Elvira!

Acho que muitos heróis internacionais não são reconhecidos pelo seu verdadeiro valor de salvação. O inventor da Paciência, por exemplo. Não, não falo da virtude. Falo do joguinho de cartas que acompanha o Windows desde sua primeira versão e que, com certeza, já salvou muita gente do tédio. E o que dizer do Sr. Lamen? Multidões de estudantes, mães apressadas e péssimos cozinheiros no mundo todo já foram salvas da fome e da miséria graças à essa humilde massinha. Miojo é herói! E o mesmo podemos dizer dos criadores de Poxipol, Palitos Gina, fita crepe e band-aid. Todos heróis, cada um da sua forma, nos salvando de pequenos pepinos do nosso dia-a-dia. E, diga-se de passagem, muito mais dignos do que muitos heróis convencionados por aí…

Página 1 de 3123