Desculpa, é que eu sou juca

11 de Outubro de 2011

Se eu participasse no Zorra Total, esse seria meu bordão.

Como disse no último post, resolvi me assumir mongolona. Minhas primeiras peripécias foram com o transporte público coletivo, ou, como descreve o poema no vidro do meu amigo 520: “Repara no nome daquele grande dragão fumegante que captura nossas almas para o purgatório diário: Ônibus.”

Resolvi usar meu TRI pela primeira vez esse mês, super feliz. Fui caminhando até a parada, pensando “Vou passar o meu TRI ali como se fosse muito natural pra mim, sem deixar vestígios de noob” e testando as melhores maneiras de segurar meu cartão na mão para passar como uma especialista quando chegasse minha vez. Ônibus chegou, eu subi e uhu! Coloquei meu TRI direto na máquina e fiquei esperando. Esperando… esperando… E nada! Aí só ouvi o cobrador falando “Não é aí que coloca, moça. Isso é o visor…” Pronto. Primeiro FAIL detectado! Mas continuei, como se estivesse apenas confusa naquele momento porque estava muito abalada com problemas pessoais, tipo, passando por um divórcio ou tido notícia de que alguém da família está com vermes. Fora que podia ter sido pior, certo? Eu podia ter tentado colocar o TRI na testa do cobrador, por exemplo.

Daí ok, coloquei no lugar certo, e fui passar na roleta. E a roleta trancada. E eu insistindo pra passar, porque né? Tinha passado certo meu TRI agora. E a roleta trancada. Cobrador me fala “É recarga” e eu “Sim, eu sei”, insistindo ainda pra passar. E ele “É que é recarga” e eu “Aham!”, e forçando mais do que nunca aquela maldita roleta. Aí decidi olhar pro cobrador e me liguei “Ahhhhh… eu tenho que passar o cartão de novo, é isso?”, e ele “Sim”.

Logo depois, eu olhei pra câmera, que fechou em mim, e disse meu bordão “Ah tá… desculpa… é que eu sou juca!”, ao som de risos histéricos de uma platéia falsa.

Pra completar, assim que finalmente passei a roleta, o cobrador me disse “Agora fique a vontade e pode se sentar!”

ESSA PARTE eu sei, né?

Prazer, Kong. King Kong.

2 de Junho de 2009

kingkong

Eu nunca fui uma pessoa de micos convencionais. Claro que já beijei o chão na rua, caí da cadeira na aula, já dei foras e tive que consertar na hora ou sair correndo. Mas isso não é algo freqüente no meu dia-a-dia, até porque nem lembro da última vez que aconteceram coisas assim. Em compensação, alguns king kongs permeiam minha vida. Situações tão constrangedoras que viram chacota pro resto da vida e eu preciso aprender a conviver com isso toda vez que minha família se reune. Uma história clássica que sempre ressurge nos almoços de domingo é o dia em que eu abracei um cara qualquer num supermercado achando que era meu pai. Ele estava de costas e eu não tenho culpa se meu pai tem características padrão de pai: meio gordinho, estatura média e careca. Se fosse o Homer, eu abraçava. Não bastou abraçar, eu ainda disse “Aiai, PAPI” e quando aquele homem olhou pra mim extremamente surpreso, talvez lembrando de alguma ex-namorada e prevendo a cena de uma mulher gritando loucamente que queria um exame de DNA e tudo que ele tem na conta do banco, eu percebi que meu pai verdadeiro tava do outro lado do corredor, já rindo muito de mim.

Outras histórias:

Outra que adoram lembrar é a vez em que eu ganhei um cachorro Husky de pelúcia no Natal e… chorei. Chorei muito. MUITO. Chorei repetindo 3057 vezes a frase “meu Husky!!!”, enquanto todos entravam em conflito se era felicidade ou uma mágoa profunda com um erro do Papai Noel. Eles filmaram e acham a maior graça assistir isso hoje, uns 15 anos depois, rindo muito da minha cara. Eu, particularmente, continuo achando lindo o fato de uma criança conhecer tão cedo o papel da emoção, enquanto limpo algumas lágrimas ao lembrar do meu querido Husky.

E, é claro, o mico mais recente eu contei aqui no blog, que foi o dia em que todos os salões de beleza de Porto Alegre pararam porque a idiota aqui marcou de fazer a unha em todos eles, achando que era uma alguma deusa indiana com mil braços ou sei lá o quê.