Top 5 Musician Crush

24 de Maio de 2009

Eu já tive meu momento Dedé Santana crush, e admiti isso aqui. Agora é a vez de admitir quedas musicais por vocalistas fofos, sexy, estiloso ou lindo por natureza. Tenho certeza que dessa vez, vou ter acompanhantes pros babadores! Se não, me contem quais são os musos sonoros de vocês! Depois de um tempo, voltamos com os Top’s: Top 5 Musician Crush!

Top 5 – Chris Cornell

chris

Típico caso que só é bonito pela combinação estilo + atitude. Porque olhando bem as fotos, ele não é boniiiito, né? Chris é ex-Soundgarden e ex-Audioslave. Agora ele tá em carreira solo, sabe-se lá porquê, já que as duas bandas anteriores eram super legais. De castigo por isso, fica em 5º lugar.

Top 4 – Rivers Cuomo

weezer

Porque essa lista precisava de um símbolo nerd, e o vocalista do Weezer é a pessoa certa pra ocupar esse lugar. De bigode, de óculos, com os Muppets ou nos anos 60. Ele é o típico fofo que você precisa ter, nem que seja como amigo.

Top 3 – Elvis

elvis

Quem foi rei nunca perde a majestade! hahaha Péssima essa, eu sei, mas eu tinha que fazer alguma coisa pra amenizar o clima afinal, er… Elvis morreu. E eu sei que dizem que não, mas temos que parar de ver Tv Globinho e enfrentar a realidade. Ele era lindo mesmo com boquinha de gordo e um topete que o impediria de entrar no ônibus. Elvis é o único homem “limpinho” e com cara de bundinha de nenê que eu acho bonitaço.

Top 2 – Jason Kay

jamiroquai

Eu seria uma pessoa mais feliz se tivesse o sr. Jamiroquai dançando na minha sala enquanto os móveis de movem. Eu adoraria tropeçar em chapéus malucos e gigantes dentro de casa, só por causa dele. Sério, olhem esses olhinhos pequenos e puxadinhos dizendo “tá, fala logo que tô com sono” haha

Top 1 – Anthony Kiedis

anthony

Mamãe, quero casar com Anthony Kiedis. Ele é lindo, estiloso, tem pancinha malhada, presença de palco e ainda cabelo bom. Prefiro loiro, mas como resistir a essa foto perfeita? Olhando assim a gente até se convence que ele é uma pessoa normal, sem maluquices. Mas Anthony Kiedis é bom com maluquices também! Aiai…

Boys have penis, girls have vagina

14 de Maio de 2009

Afogar o ganso, molhar o biscoito, trocar o óleo, dar um tapa na butchaca. As metáforas são inúmeras, mas afinal, qual é o nosso problema em falar de SEXO? Se a palavra já amedronta os pais e cora as bochecas dos adolescentes, imagine a execução dela. Sexo parece complicado, feio, indecente, mas.. peraí! O que que tem de mais mesmo?
Pro inferno com todo o blá blá blá científico e com os papinhos conscientes de Jairo Bauer. Se a gente for pensar bem, é simplesmente como se duas pecinhas diferentes de Lego se encaixassem e pudessem gerar um playmobil. Mas nem sempre isso acontece, proporcionando, na maioria das vezes, apenas muita diversão pra quem brinca de montar. Essa, aliás, é uma das brincadeiras preferida dos adultos. E é tão corriqueira e natural que não deveria mais continuar a ser o tabu que é hoje. Não acho que seja necessário escancarar o assunto para crianças, colocar cenas de sexo na Malhação ou ensinar novas posições do Kama Sutra na Educação Física. A gente sabe que apesar de simples, a banalização da brincadeira dá margem à precocidade infantil, e a bem da verdade é que ter um playmobil é caro e que algumas peças do Lego podem quebrar. O ideal seria mesmo introduzir a brincadeira com bom senso, humor e ao mesmo tempo ensinando todas as regras do jogo para que o assunto não seja mais motivo de falta de coragem para tirar dúvidas, idas escondidas ao ginecologista e situações constrangedoras na mesa do Natal.

Pra quem quiser se divertir com definições engraçadinhas pro sexo (achei na internet, é pura besteira):

Segundo o médico é uma doença, porque sempre termina na cama.
Segundo o advogado é uma injustiça, porque sempre há um que fica por baixo.
Segundo o engenheiro é uma máquina perfeita, porque é a única em que se trabalha deitado.
Segundo o arquiteto é um erro de projeto, porque a área de lazer fica muito próxima a área de saneamento.
Segundo o político é um ato de democracia perfeito, porque todos chegam ao clímax independentemente da posição.
Segundo o economista é um desajuste, porque entra mais do que sai. Ás vezes, nem se sabe o que é ativo ou passivo.
Segundo o contador é um exercício perfeito: põe-se o bruto, faz-se o balanço, tira-se o bruto e fica o líquido. Podendo, na maioria dos casos, ainda gerar dividendos.
Segundo o matemático é uma perfeita equação, porque a mulher coloca entre parênteses, eleva o membro à sua máxima potência, e lhe extrai o produto, reduzindo-o à sua mínima expressão.
Segundo o psicólogo, é foda de explicar.

Sessão Pipoca com lasers

12 de Maio de 2009

Eu ia fazer esse post na ordem que eu vi os filmes, mas a empolgação não deixou! xD

Star Trek ★★★★★

Antes de mais nada, eis o que vocês precisam saber: eu odeio ficção científica e filmes do espaço. E nunca vi um Star Trek. Grata. Então como diabos tem 5 estrelas aqui? Pra que fique mais fácil de entender, eu vou desenhar ilustrar:


Tem aventura o tempo todo, mas sem que seja cansativo. Se um filme faz com que você faça uma dancinha louca na cadeira depois de uma sequência de lutas e manobras espaciais, é porque tá empolgando.


Tem comédia e fofurice. Sério, não tem como NÃO querer levar o russinho Pavel Chekov de 17 anos pra casa. Ele pode dizer que o mundo tá acabando que você vai achar fofo. Aí entra o personagem Scotty no filme e fica claro que seja qual for a situação, ele vai estar lá pra quebrar o gelo e ser o palhacitus da cena. =) Fora o capitão Kirk que protagoniza quase todas as trapalhadas.


Os personagens tem uma personalidade e uma intensidade incrível. Mas essas são características clássicas de personagens de seriado, que trabalham na base da repetição. Mas mais do que personalidade, eles são roots. E são assim desde crianças. Gostei!


É um clássico, não tem como negar. Anos de sucessos e milhares de fãs não podem estar errados!


Acho que já falei aqui, mas eu adoro espírito de equipe! Aquela vontade de bater na mesa e dizer: pro inferno com tudo! Vamos explodir uma nave juntos, ou morrer tentando. O filme juntou todos esses elementos e conseguiu me conquistar, mesmo sem nunca tendo visto um Star Trek que seja. Nerd é tão previsível, né? =P

Ah é, eu vi outros filmes..


Che ★½☆☆☆

Eu tinha ficado tão empolgada com Diários de Motocicleta que não via a hora de ver Benício Del Toro incorporando Che Guevara! Ele é perfeito pro papel, mas… cadê o filme mesmo? Passou e eu nem vi! É muito monótono, do começo ao fim. Arrastado, sem climax… nem as invasões empolgam muito. Uma parte tenta ser tipo um documentário, em contraponto com o começo da revolução do Che. Talvez se você for o tipo de pessoa que gostou de Assassinato em Gosford Park, gosta de jogar cricket, é um entusiasta comunista ou simplesmente é um velho chato, é provavel que goste bastante de Che. Enfim, achei muito decepcionante! E esse é só o primeiro de dois filmes. Minha expectativa pro segundo, claro, já é baixa desde já.


Wolverine ★★★½☆

Não podia abandonar o Wolvie! O filme é muito legal, cheio de reviravoltas, mas achei amargo demais. Tudo bem, assim é o Wolverine – e agora nós sabemos o motivo – mas é muito draminha pessoal sabe? Você fica com aquele sentimento de injustiça até o final. O grande destaque do filme é a participação do Gambit: lindo e novo favorito desde então haha

Aprendendo a gastar

3 de Maio de 2009

Chamem do que quiser, eu acredito que tenho um dom. Quem me conhece sabe o meu poder de economizar dinheiro, comprar coisas ótimas em balaios e revirar lojas de 1,99. Fiz verdadeiros milagres enquanto vivi durante 20 anos sem mesada, fazendo render o dinheiro do aniversário até o Natal, e o do Natal até meu aniversário. Treinei meu cérebro a só se interessar por algo que fosse realmente impossível de viver sem, ou pelo menos custasse menos de 50 reais. Mas como eu disse, isso aconteceu até meus 20 anos. Foi começar a ganhar o que a maioria dos adultos chamam de salário que um novo mundo de futilidades se abriu pra mim. Eu me senti milionária tendo 300 reais, e constatei que deveria aprender não a investir, mas sim torrar dinheiro, aquilo que não fiz a vida toda. Meu cérebro virou independente do meu espírito, e se assumiu um grande fã consumidor de sapatos. Minhas bolsas deixaram de ser egoístas e pediram por novas irmãs no armário. Minhas unhas criaram personalidade e toda sexta-feira elas me imploram para serem levadas no salão e ganharem uma corzinha. E assim todos os elementos do meu guarda-roupa se rebelaram por uma Bruna mais gastadeira e menos mão de vaca. Não, jamais serei uma Becky Bloom. Apesar da nova loucura consumista que invadiu minha vida, já me fazendo comprar sapato dois números menor só para tê-los e blusas que mofam no armário por ter pena de usá-las, eu ainda dou muito valor ao meu dinheiro. O segredo? Separo meu salário: metade para a intocada poupança, metade para ser feliz.