Dicionário da TPM

25 de Maro de 2009

Acho que talvez 99,9% dos homens não entendem, e pelo menos 99,9% não se conformam, mas ela existe. A TPM. O processo todo, na verdade, é bem simples: enquanto uma parte do nosso corpo se autodestrói e tenta expelir seus restos mortais nos momentos mais impróprios do nosso dia, algumas das palavras mais banais do nosso cotidiano adquirem novos significados na nossa mente desequilibrada.

Por exemplo, o seu chefe não é mais apenas alguém com um poder superior ao seu dentro de uma empresa. Não, ele é o capeta em forma de empresário que, acima de tudo, só pensa em ferrar com a vida de todo mundo, inclusive a sua. Não satisfeito, justo no dia em que seu útero resolveu virar sádico, ele humilha você na frente de todas as suas colegas. Colegas estas que deixam o posto de pessoas que fazem parte da mesma coorporação que você e imediatamente assumem o de bando de vacas que tem o cabelo e a bunda muito melhores do que a sua e adorariam roubar o seu namorado. É verdade, pode procurar no dicionário da TPM. O namorado, por sua vez, se transforma num cara mega insensível que acha que consegue agradar uma mulher apenas presenteando-a com flores, chocolates e uma réles declaração numa faixa de avião. Nos poupe. Aí você vai dormir concluindo que o mundo, aquilo que antes era considerado o conjunto de espaço, corpos e seres que a vista humana pode abranger, definitivamente significa um lugar sujo e injusto que nunca vai entender e valorizar a pessoa que você é. A vida acabou.

No outro dia, depois de ter cuspido na cara do seu chefe, saído no tapa com duas loiras oxigenadas do trabalho e ameaçado mais de 27 vezes terminar o namoro, você acorda e pensa: “Nossa, como eu tava chatinha ontem! Que boba!” e vive tranquilamente por mais 28 dias como se nada, nunca, tivesse acontecido.

Sessão Pipoca com Nescau

22 de Maro de 2009

Ninguém estranhou mais de 3 meses sem este blog falar de Cinema? Já era hora né?


Be Kind, Rewind ★★★★☆

Depois de muito tempo esperando, o filme do Michel Gondry veio com o título de Rebobine, Por Favor. São tantos comentários pra esse filme que não sei nem onde começar. Sim, a premissa da história é mega bizarra, mas o desenrolar é muito legal, o espírito de coletividade (ok, eu amo isso) é super envolvente, os remakes são hilários e os efeitos de baixíssimo orçamento também. Aliás, quem conhece o Gondry sabe que ele prefere ficar milhões de horas montando bloquinhos de Lego pra fazer um stopmotion do que simplesmente ir pra um programa de computador criar uns efeitos de vídeo, e o filme é basicamente isso. Com criatividade, muitas mãos na massa e pouco dinheiro, uma coisinha tosca pode ser diversão gratuita. Eu amei o final! ^^


Zack and Miri Make a Porno ★★★★☆

A.k.a Pagando Bem, Que Mal Tem?, uma tradução tão tosca que me recuso a chamar o filme assim. Zach and Miri me parecia mais uma daquelas comédias que os homens amam pelas piadas sujas e as gurias ficam com cara de nacho murcho, como geralmente são os filmes do Kevin Smith, na minha opinião. Mas eu gostei bastante, o Seth Rogen consegue ser fofo independente do que ele faça, a Elizabeth Banks tá linda e as roupinhas dela também e eu acho que vou ser uma das únicas gurias a elogiar esse filme.

Agora um mini especial Oscar atrasado sobre os filmes que todo mundo já leu a respeito:


O Curioso Caso de Benjamin Button ★★☆☆☆

Eu não precisei assistir esse filme pra dizer que Brad Pitt é um bom ator. Eu já havia constatado que a beleza era só a entrada do moçoilo quando vi Clube da Luta e Snatch – Porcos e Diamantes. O Brad (assim como meu queridinho DiCaprio) ainda vai ganhar um merecido Oscar. Mas sobre o filme… percebi bastante ironia e uns momentos até meio toscos, mas a história é, sim, bem bonita. O problema é que demora 3 horas, e isso me cansou bastante. Confesso que eu esperava mais do tal curioso caso. Algumas horas são bem monótonas e dispensáveis e o final fica uma coisa assim… meio aberta. Estranho. Fora que, gente, eu tenho uma implicância enorme com a Cate Blanchett! Ainda mais vivendo feliz do lado do muso mor hahaha


Slumdog Millionaire ★★★☆☆

Cidade de Deus na Índia. Sim, foram poucos os momentos em que eu não comparei os dois filmes. Achei bem legal o fato da história ir sendo contada pelas perguntas do programa, e todas elas remeterem à traumas (porque infelizmente eles marcam mais do que os momentos felizes). No fim, é uma história de amor, e por isso mesmo acho que o final deveria ser diferente. Também dispensaria a dancinha coletiva ao som de Jai Ho! nos créditos finais… fiquei um pouco com vergonha alheia. Mas a atriz que faz a Latika é linda, e o Jamal pequeno é muito fofinho!

Vocês não concordam que seria muito mais legal se ele errasse a pergunta valendo 20 milhões, mas em compensação encontrasse e ficasse com a guria que ele queria o filme todo? Seria muito melhor, e mais realista também!


O Leitor ★★★★½

Acho que dos três concorrentes ao Oscar que eu vi, esse foi o que eu mais gostei. Não dava nada por ele, porque ouvi muita gente falando que era um dos mais fracos e tal. Mas é uma história sobre o nazismo, sobre o amor, sobre o analfabetismo, sobre ingenuidade, ignorância… ih, tantas coisas! As cenas em que o menino lê pra ela são muito bonitas, e a meia hora final é matadora, muito emocionante. Sem contar que eu voltei pra casa super feliz de saber que a Kate Winslet tem estrias na cintura como eu! Uhu! :mrgreen:

Show das Cartas II

20 de Maro de 2009

Bom, como esperado, na primeira semana de março eu voltei pra Porto Alegre e, mais uma vez, foi aquele caos de cartas aqui em casa. Como estive fora durante muito tempo, vocês podem imaginar. Cartas até o final da rua. Então, como todos já sabem, temos aquela seleção por sorteio do meu assistente, o Sr. Bolinha. Esse mês ele sorteou a minha queridinha Ariane e a Sacks. Pois é gente, eu juro que tentei explicar pra ele que a Sacks não era um leitor ou fã meu, mas quem disse algum dia que bichos de pelúcia escutam estava drogadaço.

A Ariane me mandou vários presentinhos fofos. Um bloquinho, uma caneta e adesivos, que eu adoro. Me senti super querida com tudo isso! E ela ainda me disse uma coisa que amei: pra ela, meus posts poderiam ser traduzidos pela palavra bittersweet (a mistura do doce e do amargo). Muito legal!

Já a Sacks (e seu irresistível frete grátis) me mandou o rímel Telescopic da L’Oreal que eu já tinha lido em meio mundo de Flicks. O resultado, como falam, é muito bom.

O aplicador de silicone funcionou comigo e não empelota. Meus cílios já são grandes, ou seja, com o Telescopic então eu viro praticamente um traveco – Ronaldo pegael.

E fiquem ligados, o próximo sorteado pode ser VOCÊ! *aponta pra tela e faz cara de maníaco feliz*

Pã pã pã pãrã… essa é a vinheta do meu programa, o Bruby Show, ok?

Eu não sei plagiar

17 de Maro de 2009

Eu juro que me esforço, mas não consigo. Tem dias que posso ficar horas na frente de uma folha do Word, um documento do Photoshop ou meu bloquinho promocional da firma do meu pai, mas meus dedos não conseguem digitar, meus botões do Photoshop parecem estar em japonês e minhas mãos não sabem mais escrever. Abro o guarda-roupa, não sei mais o que vestir, não gosto mais de nada que eu tenho, não sei mais nem porquê eu o abri. Olho pro meu quarto e concluo que tenho um péssimo senso de combinação, e, pior ainda, de personalidade! Meu relógio do Garfield não combina muito com meus títulos de livros empilhados na prateleira, e muito menos com a estátua de madeira de gato indonésio ao lado da porta.

E aí então que me proponho à única solução que encontro: plagiar pra conseguir uma uniformidade. Abro o Google, leio blogs, ligo a TV, folheio revistas, observo as pessoas na rua. Procuro idéias, pensamentos, frases, imagens que materializem diretamente os conceitos que meu cérebro sabe que quer, mas não consegue falar. Pensando bem, acho que a vida toda eu fiz isso. Anotei mentalmente estilos que eu queria ter, escolhi com que letra caprichosa gostaria que a minha parecesse, treinei meus jeitos de falar. Mas tudo foi… em vão. Acabava sempre pegando um modelo e na hora de copiar, saía do meu jeito mesmo. E de tanto tentar ser alguém, virei eu mesma.

Não sou 100% original, sei que não. Mas também nunca consegui ser cópia de ninguém.

WAP – O meu pior pesadelo

15 de Maro de 2009

Morte? Baleia branca? Chuck, o boneco assassino? Guerra nuclear? Não, meus amiguinhos, o nome do meu maior e pior pesadelo chama-se WAP. Uma tecla maldita que eu nunca entendi direito como usa, e nem faço a mínima questão de saber, mas sei que tem a ver com internet e gastos na conta, e isso já é o suficiente.

Aí vocês vem com um alá, a piá não aceita bem a evolução tecnológica mimimi, mas não é bem assim. Como se não bastasse essa coisa demoníaca simplesmente existir e me deixar pensando que uso apenas 30% das funcionalidades do meu celular, ela ainda tá ali, como um dos atalhos mais fáceis do teclado do meu celular, pronta pra ser apertada por engano a qualquer momento dentro da minha bolsa quando pressionada contra minha piranha de Hello Kitty num dia que eu ironicamente esqueci de bloquear as teclas e fazer minha conta ir a milhões de reais ou marcar uma hora num salão errado. Sendo que, opa, isso eu já fiz e não foi culpa do celular.. :roll:

Com esse pensamento fixo e limitado, faço de tudo para nunca, jamais apertar a amaldiçoada tecla. Devido a minha falta de intimidade com o aparelho telefônico móvel, é comum eu tentar chegar num contato da agenda telefônica e apertar ali sem querer. Ver aquele mundinho girando é pior do que ver uma barata subindo na sua perna: dá pânico.

Não sei o que acontece. Acho que já comentei por aqui o meu desafeto com a palavra telefone. Eu não gosto de ligar, eu me emburro pra atender, não consigo fazer duas coisas ao mesmo tempo e também não consigo ficar só falando ao telefone porque é tédio total. Sabe, será que não dá pra voltar praquela moda de que celular era só ligar, discar e desligar? Super inofensivo e muito mais objetivo.

Página 1 de 212