Prazer, Kong. King Kong.

2 de June de 2009

kingkong

Eu nunca fui uma pessoa de micos convencionais. Claro que já beijei o chão na rua, caí da cadeira na aula, já dei foras e tive que consertar na hora ou sair correndo. Mas isso não é algo freqüente no meu dia-a-dia, até porque nem lembro da última vez que aconteceram coisas assim. Em compensação, alguns king kongs permeiam minha vida. Situações tão constrangedoras que viram chacota pro resto da vida e eu preciso aprender a conviver com isso toda vez que minha família se reune. Uma história clássica que sempre ressurge nos almoços de domingo é o dia em que eu abracei um cara qualquer num supermercado achando que era meu pai. Ele estava de costas e eu não tenho culpa se meu pai tem características padrão de pai: meio gordinho, estatura média e careca. Se fosse o Homer, eu abraçava. Não bastou abraçar, eu ainda disse “Aiai, PAPI” e quando aquele homem olhou pra mim extremamente surpreso, talvez lembrando de alguma ex-namorada e prevendo a cena de uma mulher gritando loucamente que queria um exame de DNA e tudo que ele tem na conta do banco, eu percebi que meu pai verdadeiro tava do outro lado do corredor, já rindo muito de mim.

Outras histórias:

Outra que adoram lembrar é a vez em que eu ganhei um cachorro Husky de pelúcia no Natal e… chorei. Chorei muito. MUITO. Chorei repetindo 3057 vezes a frase “meu Husky!!!”, enquanto todos entravam em conflito se era felicidade ou uma mágoa profunda com um erro do Papai Noel. Eles filmaram e acham a maior graça assistir isso hoje, uns 15 anos depois, rindo muito da minha cara. Eu, particularmente, continuo achando lindo o fato de uma criança conhecer tão cedo o papel da emoção, enquanto limpo algumas lágrimas ao lembrar do meu querido Husky.

E, é claro, o mico mais recente eu contei aqui no blog, que foi o dia em que todos os salões de beleza de Porto Alegre pararam porque a idiota aqui marcou de fazer a unha em todos eles, achando que era uma alguma deusa indiana com mil braços ou sei lá o quê.

Ser perfeita exige esforço

30 de April de 2009

Sempre tem aquela amiga que todo mundo acha perfeita. Não necessariamente uma amiga, pode ser uma prima, uma colega de trabalho, ou uma simples conhecida. Aquela guria que diz que lava o cabelo com sabão de côco e mesmo assim ele é super hidratado. Aquela que nunca se atrasada pelo simples motivo do despertador não ter tocado. Tem sempre uma história maior, mais engraçada, mais triste ou mais bizarra pra contar. Sobre qualquer assunto. As festas dela são as melhores, os amigos dela são os mais queridos, os ex-namorados os mais lindos, as viagens as mais loucas e a grama a mais verde. Além disso, ela é a melhor filha, a melhor amiga e a melhor namorada. Ela conhece todas as bandas cool do momento, todos os filmes alternativos, todos os lugares da Europa e já fez tudo que você pensar em querer fazer. Mas nem tudo é um mar de rosas, como ela faz questão de frisar. Ela também quer ganhar de todo mundo quando o assunto é problema. É ela que tem as piores histórias de família, as noites mais mal dormidas, o carro mais batido e os piores diagnósticos médicos. Ela é sofredora. Ela é praticamente Maria do Bairro. Mas ela não se abate. Não. Ela tira de letra todos esses problemas tendo as maiores noitadas da vida de qualquer ser humano. E tem mais! Sabe aquele famoso que você viu no aeroporto? Pois é, ela já viu ele duas vezes e inclusive numa delas beberam juntos numa festa VIP que ela conseguiu ingressos porque tem muitos amigos populares. Sabe aquela viagem que você fez pra serra no feriado? Parece que ela foi apenas com uma enorme mochila e de patinete pro Rio e teve o melhor final de semana de todos os tempos. Sabe esse post? Ela escreveria melhor. Sabe essa amiga? Ela é uma farsa. Sabe o que é pior? Ninguém mais nota isso.

E a mãe, vai bem?

4 de April de 2009

Tem dias que eu penso seriamente em finalmente encarnar o espírito de porco que tanto teima em pairar sobre a minha cabeça e dar respostas extremamente mentirosas e bizarras a meu respeito.

E aí, como anda o namoro?
Ah, aquele? Acabou.. pois é.. mas tudo bem. Encontrei um cara muito legal e estamos vivendo num trailer, junto com um pessoal do circo onde ele trabalha. Só seria mais legal se ele pudesse tirar as pernas-de-pau pra dormir.

Como vai a vida de formada?
Tá ótima! Larguei a Publicidade, aquilo é coisa de maluco! No momento tô focada na minha banda de instrumentos imaginários. Eu solo no pirulito, tem o Marcinho na vassoura e o Jorge tá tentando tirar um som legal com as agulhas de crochê.

Porque às vezes as pessoas perguntam demais. Ou você simplesmente está num good bitch day.

Me dá um T! Me dá um P! Me dá um M! Adivinhem que dia é hoje? hahaha

Heróis do dia-a-dia

1 de April de 2009

Na minha opinião, heróis não são guerreiros, não tem super poderes e não são somente aquelas pessoas admiráveis. Heróis são, simplesmente, aqueles que salvam pessoas.

Lembro que minha primeira heroína foi Elvira, a Rainha das Trevas. Eu tinha uns 8 anos e recém havia colocado aparelho nos dentes. Tava apertadíssimo, doendo muito, e Elvira me salvou me distraindo com 98 minutos de diversão cinematográfica, incluindo a dança dos peitos. Obrigada, Elvira!

Acho que muitos heróis internacionais não são reconhecidos pelo seu verdadeiro valor de salvação. O inventor da Paciência, por exemplo. Não, não falo da virtude. Falo do joguinho de cartas que acompanha o Windows desde sua primeira versão e que, com certeza, já salvou muita gente do tédio. E o que dizer do Sr. Lamen? Multidões de estudantes, mães apressadas e péssimos cozinheiros no mundo todo já foram salvas da fome e da miséria graças à essa humilde massinha. Miojo é herói! E o mesmo podemos dizer dos criadores de Poxipol, Palitos Gina, fita crepe e band-aid. Todos heróis, cada um da sua forma, nos salvando de pequenos pepinos do nosso dia-a-dia. E, diga-se de passagem, muito mais dignos do que muitos heróis convencionados por aí…

A mulher diabo e o feitiço do bigode

8 de March de 2009

Gil sempre foi uma criança sapeca, que passava horas se divertindo ensaiando passos da Gaiola das Popozudas em frente ao espelho, sonhando em um dia ser a rainha do baile de sainha. Gil cresceu, abandonou seu sonho de ser musa da periferia e teve uma adolescência pra lá de normal, chegando até mesmo a se envolver em causas sociais e criar uma teoria, a teoria do Playmobil, onde ela indagava pela falta de bom senso nos cortes de cabelo e afirmava que ninguém possuia nariz. Talvez por isso ela acreditava que o mundo cheirava à merda. Um dia, estava ela navegando na internet quando, em meio à um clipe alternativo de Escoladuz, encontrou o homem de sua vida. Ele aparecia em frações de segundos, era como uma mensagem subliminar. Ela o procurou em academias, no orkut, em listões, em hospitais, em seus sonhos. Mas nada de achar o misterioso Escoladuz que ela apenas sabia que gostava de verde e de andar de carro. Gil passou anos chutando números de telefone, criando combinações de nome + sobrenome e, claro, olhando para cada carro com passageiros que passava em sua rua. E nada aconteceu. Sua fúria e decepção com o mundo foi tanta que chifres cresceram na sua cabeça e um garfo gigante passou a ser seu acessório preferido. Gil virou a Mulher Diabo. Mas essa não é a história de Gil. Essa é a história de Robbie, uma menina que nasceu sem nem mesmo ter buço. E isso é tudo que precisamos saber sobre ela. Certo dia, ela estava feliz e saltitante porque Jorge Versilo, seu amor platônico, a convidou para sair e resolveu comemorar ouvindo sua música preferida “i’m every woman”. Imediatamente tocou uma sirene vermelha em forma de coração na sala de Gil, a Mulher Diabo. Era um sinal de que um novo casal estava prestes a se formar. Ela precisava fazer algo a respeito. Correu para a casa de Robbie, desligou o som, rasgou o poster da turnê 2009 dos Backstreet Boys na parede e disse “tire esse sorriso idiota da cara, garota, porque a partir de hoje, ele será acompanhado de um belo bigode”. E despejou todo seu feitiço contra o antes liso buço de Robbie. Como se não bastasse, rogou que ela ficasse presa no mundinho do Carnaval.

Essa não é uma história real. Mas poderia ser, porque faz muito sentido se vocês olharem o Orkut delas.

Trote nº 3 pro TDB

Página 3 de 6123456