Desculpas

8 de July de 2009

Sei que devo, e não nego. Também não gosto de ver o blog sem atualizações, mas acho que o melhor a fazer é atualizar também a minha vida. Filmes, vídeos, sites, faculdade, decisões, aniversário. Olha! Eu fiz aniversário e nem postei! Blythes, Perestroika, oportunidades, decepções, salvações, pessoas. Tudo muito novo vindo por aí. Devo um post a cada uma dessas palavras, ou talvez algumas sejam apenas convidadas especiais dentro de outros enredos. Vamos parar de enrolar? Aviso que os posts que seguirão são referentes a minha vida pessoal. Afinal, o blog é meu, certo? Desculpa, pseudo-intelectuais. Eu sou egoísta e fútil. =)

Esqueçam Tudo de Blog, esqueçam dicas. Bem vindos a minha vida pelos próximos posts. Mas é temporário, depois voltamos à programação normal.

Ó céus, ó vida, ó azar

23 de June de 2009

Porque existem dias que você simplesmente acha que o mundo acabou. E por alguns minutos, ele acaba mesmo. Parece que não existe mais nada que console depois daquela unha perfeitamente feita pela manicure ter quebrado quando você puxou de qualquer jeito a gaveta das meias. Parece que nada mais vai curar o fato de estar frio, chovendo, o ônibus atrasado por 20 minutos e seu cabelo armando na mesma proporção que aquele carinha do prédio 8 se aproxima. E ainda tem os problemas acumulados, o fato da sua vida estar toda de cabeça pra baixo; as mil e uma dúvidas da adolescência, que, lamento dizer, vão se estender até os seus 50 anos; aquela espinha indesejada bem no dia da festa; aqueles motivos todos que te fazem ter vontade de – POFT! – simplesmente sumir do mapa. Mas aí quando eu estou toda encolhida na minha cama, fazendo força pra acreditar que de alguma forma, estou sendo teletransportada pra outro lugar em que tudo esteja melhor, ela chega. Minha mãe. Com um Nescauzinho quente, um lanchinho com chocolates, um casaco, um abraço, uma história engraçada. É, o teletransporte realmente funcionou. Não há lugar melhor do que ao lado da minha mãe. E assim, ela sempre salva qualquer dia ruim.

Discovery Kids ou Animal Planet?

13 de June de 2009

E então chegou o dia dos namorados. Depois de 4 anos de namoro, eu e André decidimos nos rebelar e… comemorar! Tivemos presentinhos, fondue, jantar caseiro, algumas horas matando zombies no Wii e todo aquele mimimi de 12 de junho. Como juntou com o feriado, resolvemos fazer algo diferente e fomos no zoológico amar também os animais. Faz um tempinho já que andava enchendo o saco pra ir ver a famosa girafa, o animal mais lindo desse mundo dos animais que não andam nas ruas. A minha mãe ficava indignada alegando que eu já tinha ido no zoológico, mas vamos combinar que levar qualquer criança de 2 anos pra ver uma coisa que deva ser memorável é gastar tempo e dinheiro. Ei! Não vamos lembrar do zoológico, não vamos aproveitar a Disney, não vamos lembrar do gosto do xuxu. Enfim, tivemos uma discussão sobre o ornintorrinco, que eu jurava ser da mesma família do hipopótamo, e o André achou que eu estava muito limitada ao meu clássico jogo do mico e ao Madagascar e decidiu que era hora de dar um basta nisso tudo. Abaixo, seguem algumas considerações sobre alguns antigos mitos pra mim – e talvez pra mais gente. Conto com o apoio de vocês!

– O macaco é mais assustador do que as cobras. Por quê? Porque ele parece MUITO alguém fantasiado. Ele é uma mini pessoa numa jaula. Pra ser mais exata, a cara dele parece a de um velhinho mendigo no centro. ME-DO.

– O elefante é bem menor do que eu pensava e não incomoda muita gente. Quer dizer, pelo menos de onde eu vi, ele parecia ter o mesmo tamanho do Eric Clapton quando fui no show dele no Olímpico. Então ou ele é pequeno, ou Eric Clapton é realmente bem mais gordo do que aparenta.

– Existem algumas coisas que eu imagino que sejam absurdamente enormes: tiranossauro rex, boing, transatlântico e girafas. E tenho que dizer que as girafas foram decepcionantes. Você não vai olhar pra cima e ver um pescoço pelos próximos 5 metros como eu pensava. Enfim, talvez ISSO tenha sido uma memória de quando eu tinha 2 anos.

– Os hipopótamos e os rinocerontes realmente existem fora do comercial da Parmalat. Mas são bem mais feios. Quer dizer, vamos ver como estão aquelas crianças hoje, hã?

No fim das contas, não tinha nenhum ornintorrinco. Então acho que ninguém pode discutir comigo sobre um animal que não viu – e ainda temos dúvidas se existe – certo? E eu continuo aqui achando que ele é gordo, cinza e… algo entre o hipopótamo e o rinoceronte, definitivamente. É, uhum, tenho quase certeza que é assim o verdadeiro ornintorrinco.

Namorado dos sonhos

9 de June de 2009

Passei 18 anos procurando pelo namorado dos meus sonhos. Ele era engraçado, companheiro e, principalmente, alguém que eu pudesse admirar por ser quem é. Muitas vezes tentei encaixar outros corpos na minha imagem de homem perfeito. Em vão, pois eles já estavam destinados aos sonhos de outros garotas. Até que um dia desisti, cansada de esperar, e foi então que encontrei. Feitinho sob encomenda pra mim, meu primeiro namorado, com quem eu sempre sonhei sem saber, e com quem hoje eu sonho em viver pra sempre.

Prazer, Kong. King Kong.

2 de June de 2009

kingkong

Eu nunca fui uma pessoa de micos convencionais. Claro que já beijei o chão na rua, caí da cadeira na aula, já dei foras e tive que consertar na hora ou sair correndo. Mas isso não é algo freqüente no meu dia-a-dia, até porque nem lembro da última vez que aconteceram coisas assim. Em compensação, alguns king kongs permeiam minha vida. Situações tão constrangedoras que viram chacota pro resto da vida e eu preciso aprender a conviver com isso toda vez que minha família se reune. Uma história clássica que sempre ressurge nos almoços de domingo é o dia em que eu abracei um cara qualquer num supermercado achando que era meu pai. Ele estava de costas e eu não tenho culpa se meu pai tem características padrão de pai: meio gordinho, estatura média e careca. Se fosse o Homer, eu abraçava. Não bastou abraçar, eu ainda disse “Aiai, PAPI” e quando aquele homem olhou pra mim extremamente surpreso, talvez lembrando de alguma ex-namorada e prevendo a cena de uma mulher gritando loucamente que queria um exame de DNA e tudo que ele tem na conta do banco, eu percebi que meu pai verdadeiro tava do outro lado do corredor, já rindo muito de mim.

Outras histórias:

Outra que adoram lembrar é a vez em que eu ganhei um cachorro Husky de pelúcia no Natal e… chorei. Chorei muito. MUITO. Chorei repetindo 3057 vezes a frase “meu Husky!!!”, enquanto todos entravam em conflito se era felicidade ou uma mágoa profunda com um erro do Papai Noel. Eles filmaram e acham a maior graça assistir isso hoje, uns 15 anos depois, rindo muito da minha cara. Eu, particularmente, continuo achando lindo o fato de uma criança conhecer tão cedo o papel da emoção, enquanto limpo algumas lágrimas ao lembrar do meu querido Husky.

E, é claro, o mico mais recente eu contei aqui no blog, que foi o dia em que todos os salões de beleza de Porto Alegre pararam porque a idiota aqui marcou de fazer a unha em todos eles, achando que era uma alguma deusa indiana com mil braços ou sei lá o quê.

Página 14 de 2910111213141516171819